1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

"Economist" afirma que é hora de Dilma ir

Ao nomear Lula para a Casa Civil, presidente "colocou os limitados interesses de sua tribo política acima do Estado de Direito" e "se tornou inapta" para o exercício do cargo, sustenta a publicação britânica.

A revista britânica The Economist publicou nesta quarta-feira (23/03) em seu portal na internet um editorial pedindo a renúncia da presidente Dilma Rousseff.

Com o título Time to go (hora de ir), o texto afirma que o Brasil atravessa sua pior recessão desde 1930, em grande parte devido a erros cometidos durante o primeiro mandato da presidente. "Suas fraquezas políticas deixaram seu governo quase sem forças frente ao desemprego em alta e à queda da qualidade de vida", escreve a publicação.

No editorial, que também será publicado na edição desta semana da revista, a Economist escreve que Dilma, até agora, podia alegar que a legitimidade de sua reeleição em 2014 estava intacta e que nenhuma das alegações contra ela justificaria um impeachment. Entretanto, diz a publicação, ela removeu esse "manto da credibilidade" ao nomear o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para a Casa Civil.

Dilma ao lado de Lula, durante a posse dele como ministro da Casa Civil

Ao nomear Lula da Silva como ministro, Dilma perdeu o "manto da credibilidade", diz revista

Para a revista, Dilma entendeu que esta seria uma nomeação inteligente, uma vez que Lula é um articulador político muito habilidoso, que poderia "ajudar a presidente a sobreviver à tentativa do Congresso de impedir seu mandato e, quem sabe, até mesmo ajudar a estabilizar a economia".

A revista, porém, lembra que a decisão protegeria o ex-presidente, uma vez que, como ministro, ele apenas poderia ser julgado pelo Supremo Tribunal Federal, livrando-se assim das mãos do juiz Sérgio Moro.

No artigo, a Economist afirma que há muito defende que o destino da presidente deve ser decidido pelo Poder Judiciário ou pelos próprios eleitores, e não por "políticos que servem a seus próprios propósitos ao tentar impedi-la".

Entretanto, "a nomeação de Lula por parte de Dilma aparenta ser uma tentativa grosseira de distorcer o curso da Justiça. Ainda que essa não fosse sua intenção, seria o resultado". Segundo a revista, este foi o momento em que Dilma "colocou os limitados interesses de sua tribo política acima do Estado de Direito". Dessa forma, "ela se tornou inapta para continuar sendo presidente".

Assistir ao vídeo 02:44

Desemprego e frustração com crise na Petrobras

A Economist aponta três formas de remover Dilma que se sustentam "sobre fundamentos legítimos". A primeira seria comprovar que ela de fato obstruiu as investigações sobre o escândalo de corrupção na Petrobras. Para tal, as denúncias do senador Delcídio do Amaral poderiam formar a base de um pedido de impeachment, mas, até agora, não foram comprovadas.

A segunda opção seria uma decisão do Tribunal Superior Eleitoral de convocar novas eleições presidenciais, o que, segundo a revista, poderia ser feito caso fosse provado que a campanha da reeleição de Dilma foi financiada com propinas canalizadas por executivos da Petrobras. Essa investigação, porém, será demorada.

A terceira opção – melhor e mais rápida, segundo a revista – seria Dilma renunciar antes de ser removida do poder. A publicação concorda, porém, que isso não resolveria os inúmeros problemas do Brasil, já que o PMDB do vice-presidente Michel Temer está, assim como o PT, "profundamente enredado no escândalo da Petrobras". Assim, a renúncia de Dilma seria apenas "o primeiro passo" para o Brasil.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados