Economia solidária é caminho a ser seguido, destaca Fórum Social Mundial | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 28.01.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Economia solidária é caminho a ser seguido, destaca Fórum Social Mundial

Práticas sustentáveis são apontadas no Fórum Social Mundial deste ano como alternativas para atingir um mundo mais igualitário e democrático. Assunto foi tema do seminário Metrópoles Solidárias.

default

Sociólogo português Boaventura Santos

O seminário internacional Metrópoles Solidárias, Sustentáveis e Democráticas, realizado no âmbito da 10ª edição do Fórum Social Mundial (FSM), debateu novos caminhos de emancipação social.

O seminário discutiu o crescimento desordenado das regiões metropolitanas, marcado pela proliferação de áreas de exclusão social, pela violência urbana e pela poluição ambiental. Os participantes destacaram a necessidade de articulação de formas inovadoras, democráticas e inclusivas de gestão local.

Uma das alternativas apontadas pelo sociólogo português Boaventura de Sousa Santos, na conferência intitulada Mundialização Alternativa e Emergência das Periferias, foi o Orçamento Participativo.

Colocado em prática em Porto Alegre nos anos 1990, esse é um dos mecanismos governamentais que permite ao cidadão influenciar na decisão sobre o melhor destino para os recursos em sua cidade. Para o professor da Universidade de Coimbra, "é na cidade que a ação política se desenvolve e se torna democrática e universal".

Um novo caminho

Paul Singer beim FSM 2010

Paul Singer fala no seminário

A economia solidária é defendida como um novo caminho a ser trilhado. O jeito diferente de produção e comercialização de produtos vem se apresentando nos últimos anos como uma alternativa inovadora de geração de trabalho e renda, promovendo a inclusão social.

O conceito compreende uma diversidade de práticas econômicas e sociais organizadas em forma de cooperativas, associações e empresas autogestionárias, que realizam atividades de produção de bens, finanças solidárias, trocas, comércio justo e consumo solidário.

Para o economista e secretário de Economia Solidária do Ministério do Trabalho e Emprego do Brasil, Paul Singer, é necessário criar formas extremamente democráticas e igualitárias de organizar a produção. "Essa é uma prática que deixa as pessoas mais felizes. O trabalhador assume mais responsabilidades, mas participa das decisões, o que é fundamental. Há um resgate humano imenso com a economia solidária", afirma.

Boaventura de Sousa Santos entende que a economia solidária é, atualmente, uma representação de novas lógicas ambientais e de trabalho. "É uma economia baseada na complementaridade, na reciprocidade. Não no individualismo, mas no coletivo. Não na inveja ou no lucro, mas no ganho coletivo. Assim novas cidades podem ser construídas de forma democrática", projeta.

Leandro Hilgert auf dem FSM 2010

Empresa familiar é exemplo de economia solidária

Feira mundial da economia solidária

O FSM também dá lugar à Feira Mundial da Economia Solidária. São cerca de mil pessoas de diferentes países que disponibilizam produtos dentro da lógica de comércio justo e consumo sustentável.

Leandro Hilgert, de Harmonia, município do interior do Rio Grande do Sul, foi chefe de oficina mecânica por 15 anos. Em 2003, fez um projeto para produzir cachaça, buscando parceiros para a plantação de cana-de-açúcar. Hoje, a cachaçaria Harmonie Schnaps envolve 17 famílias produtoras de cana da região. .

A comunidade criou uma associação que, segundo Hilgert, pretende nos próximos anos iniciar a produção de açúcar mascavo, melado e geleias. "Com essa associação, essa cooperativa, temos o sonho de melhorar a qualidade de vida e a renda dessas famílias, que hoje englobam mais de 50 pessoas", afirma.

Desde o início, a Harmonie Schnaps trabalha de forma econômica e sustentável, nada se perde. O bagaço da cana é transformado em composto orgânico, e os dejetos da produção de cachaça viram adubo. "A gente vê que existem possibilidades para trabalhar de uma forma ecologicamente correta, contribuindo para um mundo melhor", destaca.

Autora: Julia Assef

Revisão: Carlos Albuquerque

Leia mais