Economia europeia desacelera em ritmo acima do esperado | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 13.02.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Economia europeia desacelera em ritmo acima do esperado

Zona do euro registra maior queda do PIB desde a introdução da moeda única europeia. Economia desacelera em vários países europeus, incluindo Alemanha, França, Itália e Espanha. Bundestag aprova segundo pacote anticrise.

default

Alemanha enfrenta pior recessão do pós-Guerra

A crise econômica atinge a União Europeia (UE) num ritmo mais acentuado do que o previsto por analistas, conforme mostram vários números relativos ao desempenho da economia divulgados nesta sexta-feira (13/02) na Europa.

Segundo dados parciais do Eurostat, o órgão de estatísticas da UE, o Produto Interno Bruto (PIB) da zona do euro caiu 1,5% no último trimestre de 2008 em comparação com o período anterior. É a terceira queda consecutiva e a maior desde a introdução da moeda. Analistas esperavam um recuo entre 1,2% e 1,3%.

Na comparação anual, a queda no quarto trimestre do ano foi de 1,2%, ante uma expectativa de 1%. Para todo o ano de 2008, o crescimento da economia na zona do euro ficou em 0,7%, de acordo com o Eurostat.

Na União Europeia como um todo, o PIB também caiu 1,5% no último trimestre de 2008 em relação ao trimestre anterior. Apesar da queda, no ano o PIB cresceu 0,9%.

Também as principais economias da zona do euro – Alemanha, França, Itália e Espanha – divulgaram nesta sexta-feira quedas nos respectivos PIBs. "Os números não são realmente surpreendentes", comentou o comissário europeu de Economia, Joaquín Almunia, por meio de um porta-voz. "Estamos em meio a uma crise mundial, e ela vai durar." A expectativa da Comissão Europeia é que a situação melhore no segundo semestre do ano.

Alemanha

Na Alemanha, o Produto Interno Bruto teve no quarto trimestre de 2008 a maior queda do período pós-reunificação. Segundo números divulgados pelo Departamento Federal de Estatísticas (Destatis), o PIB caiu 2,1% na comparação com o trimestre anterior. É a terceira queda trimestral consecutiva.

Containerterminal Altenwerder

Porto de Hamburgo: exportações em queda

O recorde negativo desde a reunificação era de 1,2% e foi registrado no início de 1993. A queda também superou as expectativas do mercado. Analistas ouvidos pela agência de notícias Reuters esperavam um recuo de 1,8%. Segundo o Destatis, exportações e investimentos tiveram forte queda no último trimestre de 2008.

O Destatis também confirmou que a economia alemã cresceu 1,3% no ano de 2008, confirmando o número preliminar divulgado em janeiro. É praticamente a metade dos 2,5% registrados no ano anterior. Em 2006, o crescimento da economia fora de 3%.

França

Também a França anunciou nesta sexta-feira uma forte desaceleração do PIB no último trimestre do ano. O órgão de estatísticas INSEE divulgou recuo de 1,2% no período, reduzindo para 0,7% o crescimento da economia francesa em todo o ano de 2008.

Foi o maior recuo trimestral desde a primeira crise do petróleo, em 1974. As exportações caíram 3,7% e os investimentos, 1,5%. A ministra francesa da Economia, Christine Lagarde, prevê uma queda de 1% no PIB do país em 2009.

Seu ministério divulgou nesta sexta que o déficit público francês foi de 3,41% do PIB em 2008, o equivalente a 56,15 bilhões de euros. Com esses números, a França não está cumprindo o pacto de estabilidade do euro, que prevê um teto de 3% do PIB para o deficit público.

Também nesta sexta-feira, vários outros países europeus anunciaram quedas bruscas do PIB no quarto trimestre de 2008. Entre eles estão a Itália (recuo de 1,8%), a Espanha (1%), Portugal (2%), a Estônia (9,4%), a Holanda (0,9%) e a Hungria (2,1%).

Recessão vai continuar

Especialistas preveem que a recessão vai durar. O instituto econômico DIW espera uma queda anual de até 3,5% do Produto Interno Bruto da Alemanha para o presente ano.

Der Bundestag hat das zweite Konjunkturpaket der Bundesregierung beschlossen 2

Bundestag aprova segundo pacote conjuntural

Para o presidente do Conselho Alemão de Especialistas Econômicos, Bert Rürup, trata-se da maior recessão na Alemanha desde o final da Segunda Guerra Mundial. Ele disse esperar recuo de 2,5% do PIB em 2009.

"Quem diz que a situação vai melhorar no meio do ano está falando bobagem", avaliou o presidente do instituto econômico Ifo, Hans-Werner Sinn. Até setembro, mês das eleições na Alemanha, o número de desempregados no país deverá ter aumentado em 500 mil ou até 700 mil, avalia Sinn.

O presidente do Citigroup, Jürgen Michels, também se mostrou pessimista. "No primeiro e no segundo semestre de 2009, deverá haver novas quedas." Para o especialista do grupo Allianz Rolf Schneider, o pior da crise já deve ter sido atingido, "mesmo que o PIB alemão provavelmente volte a cair no primeiro trimestre de 2009".

Para ele, o recuo verificado na Alemanha no último trimestre de 2008, acima da média dos países industrializados, se deveu ao mau desempenho das exportações. Em novembro passado, a queda nas vendas externas alemãs foi de 11,8% e, em dezembro, de 7,7% na comparação anual.

Parlamento alemão aprova pacote

Na Alemanha, o Bundestag (câmara baixa do Parlamento) aprovou o segundo pacote de combate à crise. Os investimentos, as renúncias fiscais e os incentivos para investimentos privados previstos no plano somam 50 bilhões de euros.

O novo ministro alemão da Economia, Karl-Theodor zu Guttenberg, afirmou que nunca houve uma reação tão rápida, coerente e decidida diante de uma situação de crise na Alemanha. Ele disse que a recessão não põe em xeque o modelo alemão de economia social de mercado.

Leia mais