1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Economia da zona do euro cresce acima do esperado no terceiro trimestre

Países que adotam moeda única registram expansão de 0,2%. Duas principais economias europeias, Alemanha e França, afastam-se de uma recessão, e Grécia segue em trajetória de crescimento.

A economia dos países da zona do euro registrou no terceiro trimestre deste ano um crescimento mais forte do que o esperado, segundo dados divulgados nesta sexta-feira (14/11) pelo Departamento de Estatísticas da União Europeia (Eurostat). Especialistas, porém, ressaltam que o bloco continua enfraquecido e precisando de mais estímulos.

De acordo com estimativas preliminares, a economia dos 18 países que adotam a moeda comum cresceu 0,2% entre julho e setembro passado, em comparação com o trimestre anterior, quando o aumento foi de apenas 0,1%. A expectativa inicial era de que esse índice iria se repetir.

Já na comparação com o mesmo período do ano anterior, a economia da zona do euro cresceu 0,8% no terceiro trimestre. Entre abril e junho, o crescimento havia sido de 0,7% em relação aos mesmos três meses de 2013.

Em toda a UE, o PIB cresceu 0,3% no terceiro trimestre com relação aos três meses anteriores, quando a expansão havia sido de 0,2%. Na comparação anual, a expansão da economia do bloco europeu entre julho e setembro foi de 1,3%.

A boa notícia também inclui as principais economias europeias, Alemanha e França, que davam indícios de enfraquecimento. Os novos índices superaram projeções de mercado e mostram que os países estariam se afastando de uma recessão.

O PIB alemão cresceu 0,1% no terceiro trimestre em comparação ao período anterior, quando tinha recuado 0,1%. Alguns especialistas acreditavam que o país, a maior economia do euro, poderia registrar índice negativo pelo segundo trimestre seguido, mas o aumento no consumo das famílias e um leve impulso no comércio exterior estimularam a economia.

Em comparação com o mesmo período de 2013, porém, o PIB da Alemanha subiu apenas 1,2%, índice abaixo dos 1,4% alcançados no segundo trimestre.
Também a França, cuja economia tinha estagnado no primeiro trimestre e caído 0,1% no segundo, registrou um aumento do PIB neste terceiro trimestre, de 0,3%. Com relação ao ano anterior, a subida foi de 0,4%.

Países em crise

A Grécia parece estar deixando para trás uma recessão que já dura seis anos, registrando o terceiro trimestre consecutivo de crescimento no PIB. Neste terceiro trimestre de 2014, a economia grega expandiu 0,7% com relação ao trimestre anterior – ou 1,4%, quando comparado com o mesmo período de 2013.

Já a Itália continuou em recessão no terceiro trimestre, com uma queda de 0,1% na economia em relação aos três meses anteriores, e de 0,4% na comparação com 2013.

A economia espanhola, por sua vez, avançou 0,5%, ligeiramente abaixo dos 0,6% do segundo trimestre. Comparada com o mesmo trimestre do ano passado, a Espanha cresceu 1,6% – neste caso, acima dos 1,3% registrados no segundo trimestre.

Segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE) de Portugal, entre julho e setembro, a economia do país cresceu 0,2% na variação em cadeia, e 1% com relação ao ano passado.

"A economia da zona do euro ainda está crescendo, embora com ritmo lento, apesar de todos os alertas de hecatombe do FMI e de outros", afirmou o chefe de pesquisa de mercados financeiros e macroeconomia da ABN AMRO, Nick Kounis, à agência de notícias Reuters.

"Década perdida"

Nesta segunda-feira, representantes do mercado financeiro participaram de uma mesa-redonda em Frankfurt para avaliar a economia na UE. Para Ulrich Kater, economista-chefe do banco DekaBank, anfitrião do encontro, o bloco europeu encontra-se em meio a uma "década perdida". Em média, o crescimento anual europeu entre 2008 e 2014 foi de apenas 0,1%.

"Os problemas que contribuíram para a crise do euro – como, por exemplo, o alto endividamento dos países – ainda não foram solucionados", alertou Kater.

MSB/lusa/rtr/dw

Leia mais