1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Economia alemã desacelera e cresce 0,4% em 2013

Alta do PIB foi pouco menor que a esperada por economistas, que previam 0,5%, e também inferior às de 2012 e 2011. Consumo interno foi maior impulsionador. Conjuntura mundial fraca é tida como principal vilã.

A conjuntura mundial serviu de freio para a economia da Alemanha em 2013, que cresceu ao longo do ano, mas menos que em anos anteriores, segundo números preliminares divulgados nesta quarta-feira (15/01), em Berlim, pelo Departamento Federal de Estatísticas (Destatis).

O Produto Interno Bruto (PIB) cresceu, em termos reais, 0,4% em relação ao ano anterior. O crescimento ficou abaixo do verificado em 2012 (0,7%) e também em 2011 (3,3%). Economistas previam alta de 0,5%. Este é o pior resultado desde 2009, quando o PIB caiu 5,1%.

O forte consumo interno continuou sendo o principal impulsionador do crescimento. Os gastos privados aumentaram cerca de 0,9%, enquanto que os gastos do Estado subiram 1,1%.

Já os investimentos diminuíram. Em 2013, empresas e Estado investiram, juntos, 2,2% a menos em máquinas, equipamentos e veículos do que no ano passado.

O comércio exterior alemão, sempre robusto nos anos anteriores, sofreu desaquecimento na média anual, por causa da conjuntura econômica externa difícil. As exportações subiram apenas 0,6%, depois de uma alta de 3,2% em 2012.

Deficit ficou abaixo do limite da UE

Com um deficit público de 1,7 bilhão de euros, equivalente a 0,1% do PIB, o Estado alemão conseguiu em 2013, pelo terceiro ano consecutivo, manter-se abaixo do limite de 3%, estipulado pela União Europeia. Em 2012, a Alemanha tinha conseguido um pequeno superávit de 0,1%. Em 2011, um deficit de 0,8%.

"Aparentemente, a economia alemã foi afetada pela recessão ainda presente em alguns países europeus e pelo desaquecimento da economia global", avalia o presidente do Departamento Federal de Estatísticas, Roderich Egeler. Segundo ele, a forte demanda interna não foi capaz de compensar isso. No entanto, a situação econômica melhorou ao longo do ano de 2013.

MD/rtr/afp/dpa

Leia mais