1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Ebola já afeta seis países na África

Epidemia que já matou mais de 1,5 mil pessoas, sobretudo na Libéria, Serra Leoa e Guiné, chega ao Senegal. Na República Democrática do Congo, vírus identificado é diferente e provavelmente menos perigoso.

default

Enterro de vítima do Ebola em Serra Leoa

A Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgou nesta semana que já foram registrados mais de 3 mil casos de ebola na África e mais de 1,5 mil mortes em decorrência do vírus. A agência de saúde da ONU alertou que podem haver muitos outros casos antes que a epidemia seja contida. A DW destaca os últimos acontecimentos nos países diretamente afetados.

Guiné

A Guiné foi o ponto de partida da atual epidemia do ebola. Cientistas acreditam que o vírus começou a se espalhar por lá em dezembro de 2013. O primeiro caso confirmado foi em uma criança de dois anos de idade, que morreu na pequena cidade de Meliandou, no sudeste do país. Em seguida, suas mãe, irmã e avó também morreram. Desta cidade, o vírus de espalhou rapidamente pelo país.

No dia 24 de março, o ministro da Saúde da Guiné, Remy Lama, informou à OMS que haviam sido confirmadas 59 mortes por causa do vírus. "Esta epidemia simplesmente acabou com o nosso sistema de saúde", disse o ministro à DW. "Um sistema de saúde que, mesmo antes [do surto], não tinha equipes qualificadas nem os equipamentos necessários para combater uma epidemia como essa."

No começo, médicos da Guiné frequentemente não conseguiam diagnosticar o ebola, uma vez que a doença nunca havia aparecido antes na região. "Foi uma surpresa para os países da África Ocidental", afirma Lama. Mas mesmo depois das notícias nos jornais de que o ebola havia aparecido, a doença continuou a se espalhar. "Quando foi dito para as pessoas nos hospitais que nenhuma vacina ou remédio poderia protegê-las do ebola, elas preferiram procurar ajuda com os curandeiros tradicionais", afirma o ministro. O número de mortes por causa do ebola já chegou a 430 no país e continua a subir.

Libéria

Liberia Ebola (Bildergalerie)

A Libéria encarregou policiais de garantir que as quarentenas sejam cumpridas

A partir da Guiné, a doença continuou a se espalhar para os países vizinhos Libéria e Serra Leoa. Na Libéria, o vírus chegou à capital Monróvia em meados de junho. Depois que uma multidão invadiu o centro de isolamento de pacientes na favela de West Point, no dia 16 de agosto, o governo decidiu colocar a área toda em quarentena e impôs um toque de recolher noturno. Mas as medidas tomadas parecem não ter conseguido conter o surto.

"O ebola está em toda a cidade", disse Lindis Hurum, coordenador de emergência dos Médicos sem Fronteiras em Monróvia. "Em todos os bairros, há pessoas morrendo e ficando doentes, todos os dias." Mesmo com a ajuda internacional e equipes médicas vindo de outros países, muitos pacientes não são devidamente tratados. "O sistema está completamente sobrecarregado", disse Hurum. Com quase 700 pessoas mortas pelo ebola, a Libéria continua sendo o país mais afetado pelo vírus.

Serra Leoa

Assim que a epidemia eclodiu, os países da região começaram a examinar as pessoas que cruzavam as fronteiras, em busca de sinais da doença. Alguns até mesmo fecharam as fronteiras. Em meados de agosto, a Libéria ordenou que as forças armadas atirassem em qualquer um que tentasse entrar ilegalmente no país a partir de Serra Leoa, outro país seriamente afetado pela doença e que ainda tenta se recuperar das violentas guerras civis dos anos 1990. O ebola já matou mais de 420 pessoas no país, onde mais de mil casos da doença foram registrados.

Muitas companhias aéreas suspenderam os voos para a região. A inglesa British Airways cancelou todos os voos para a capital de Serra Leoa, Freetown, até o ano que vem. A Air France seguiu o exemplo e, nesta quarta-feira (27/08), suspendeu todos os voos para o país.

Com os governos pedindo aos moradores que deixem a região e muitas empresas multinacionais retirando suas equipes de trabalho, as medidas de proteção já começaram a prejudicar a economia da África Ocidental. Numa visita à Freetown nesta quarta-feira, Donald Kaberuka, presidente do Banco Africano de Desenvolvimento, prometeu 60 milhões de dólares dos fundos de emergência. Ele pediu aos investidores para voltarem aos países afetados pelo ebola. "Não há nenhuma razão para não ir a Serra Leoa", afirma. "Minha presença aqui é um sinal. Vamos impor apenas as restrições recomendadas pela OMS. Mas qualquer coisa além disso vai prejudicar nossas economias a longo prazo, nosso comércio e a prosperidade da região."

Nigéria

No dia 25 de julho, a Nigéria reportou o primeiro caso do ebola, em Lagos, a cidade mais populosa do país e centro econômico da África Ocidental. O vírus chegou ao país com um paciente que viajou da capital da Libéria para Lagos. Ao contrário das autoridades de Guiné, Libéria e Serra Leoa, que ficaram sobrecarregadas com a doença, a Nigéria parece estar tendo êxito no combate ao ebola, que matou seis pessoas no país até agora.

"Temos que reconhecer que o governo reagiu rápido ao primeiro caso", afirma John Vertefeuille, chefe do Centro de Americano de Controle e Prevenção de Doenças na Nigéria. Pessoas que possivelmente tiveram contato com pacientes infectados foram rastreadas, examinadas e isoladas, quando necessário. O país criou um centro de reação à crise e deu ênfase às campanhas de conscientização, com diversas transmissões de rádio e televisão com informações sobre medidas de higiene contra a doença. Nesta quarta-feira, entretanto, o ministro da Saúde da Nigéria relatou o primeiro caso confirmado do ebola fora de Lagos. O paciente, um médico, morreu na cidade de Port Harcourt, segundo o ministro da Saúde do país.

República Democrática do Congo

Kind mit Ebola in Kailahun Sierra Leone 15.08.2014

O ebola mata um em cada dois pacientes infectados

Quando o primeiro ministro da República Democrática do Congo, Felix Kabange Numbi, informou ao público no último domingo (24/08) sobre uma epidemia de ebola no norte do país, ele foi rápido em acrescentar que os casos não estavam relacionados à epidemia que se espalha pela África Ocidental. Especialistas confirmaram que o vírus na República Democrática do Congo era diferente – e provavelmente menos perigoso. O ministro Numbi não foi convidado para a reunião sobre a crise, organizada pela Comunidade Econômica dos Estados da África Ocidental (Ecowas, sigla em inglês) em Gana, nesta quinta-feira.

Senegal

O governo de Senegal, na África Ocidental, anunciou nesta sexta-feira que o primeiro caso de contágio com o vírus do ebola foi verificado no país. O infectado, que está hospitalizado num hospital de Dacar, é um jovem da vizinha Guiné que viajou recentemente para o Senegal e foi sujeito a exames depois de ter sentido sintomas da doença. O estudante havia desaparecido da capital de Guiné há três semanas, e as autoridades estão tentando mapear por onde ele passou e com quem teve contato. A ministra da Saúde senegalês, Awa Marie Coll-Seck, afirma que medidas para prevenir que a doença se espalhe estão sendo reforçadas.

A OMS adverte que a doença continua a se espalhar e pode ir além das fronteiras dos países atualmente afetados. "Claro que os países vizinhos dos afetados são mais propensos a terem pessoas atravessando a fronteira e têm que ter cuidados extras", disse Nyka Alexander, porta-voz do centro de coordenação da OMS para o combate ao ebola em Conakry, capital da Guiné. "Mas a OMS pede a todos os países do mundo que estejam preparados para a possibilidade de terem casos de ebola."

Leia mais