1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

EADS promete "divisão justa de cortes"

Alemanha tenta impedir corte de oito mil empregos ameaçados pela reestruturação da EADS. Berlim e Paris disputam fábricas da Airbus, em crise por causa do atraso na entrega do maior avião do mundo, o A380.

default

Plano de cortes na Airbus gera protestos na Alemanha e França

A direção do grupo EADS prometeu uma "divisão justa de cortes" na Alemanha e na França para resolver a crise da subsidiária Airbus, decorrente do atraso de cinco anos na entrega do superjumbo A380. É o que disse o governador da Baixa Saxônia, Christian Wulf, após reunião com os co-presidentes da EADS, Louis Gallois e Thomas Enders, nesta terça-feira (13/02) em Berlim.

O ministro alemão da Economia, Michael Glos, também exigiu uma solução equilibrada num encontro com os dois executivos. Nas duas reuniões desta terça-feira na capital alemã, foi discutido o plano Power 8 da EADS, que prevê cortes de cinco bilhões de euros em quatro anos, o que já provocou greves na França e protestos na Alemanha.

Luta pelo poder

Os líderes políticos e os executivos não revelaram detalhes da planejada "justa distribuição de cortes". A reestruturação considerada inevitável desencadeou uma luta entre Berlim e Paris pelo poder e pela distribuição da produção da EADS.

Enquanto muitas posições-chave do grupo são ocupadas por franceses e a influência estatal francesa na empresa é exercida até mesmo pelo presidente Jacques Chirac, a Alemanha entregou sua fatia de poder à DaimlerChrysler, detentora de 22,49% das ações da EADS.

Deste total, 7,5% estão em processo de transferência por 1,5 bilhão de euros para um consórcio de investidores públicos e privados alemães. Caso a DaimlerChrysler venda também os 15% restantes, os governos francês e alemão terão de negociar um novo equilíbrio de forças no conselho de administração da EADS.

Empregos ameaçados

A Alemanha se opõe à ameaça de corte de até oito mil dos 42,9 mil empregos gerados pelo conglomerado em 28 cidades do país. Glos reiterou que Berlim "deve poder exercer sua influência" sobre o grupo europeu de aeronáutica e de defesa. "A Airbus é um produto alemão e não apenas francês", disse.

A Alemanha é contra uma transferência total da montagem do A380 de Hamburgo para Toulouse. A Airbus investiu um bilhão de euros na fábrica e, se transferisse toda a produção do superjumbo para a França, teria de pagar uma multa de 700 mil euros à cidade-Estado de Hamburgo.

Além disso, os alemães querem fabricar o A320, modelo de sucesso produzido em Toulouse. Segundo Glos, a EADS prometeu em 2000 transferir a produção deste avião para Hamburgo, onde já são fabricados o A318 e o A319. O ministro também não aceita um monopólio francês na fabricação do novo modelo A350.

"Exigimos a manutenção dos empregos na Alemanha, como centro de alta tecnologia da Airbus", disse Glos à revista Focus . "Caso contrário, teremos de rever nossas encomendas de armamentos à EADS", ameaçou. O ministro também lembrou que, sem dinheiro público alemão, não existiria a Airbus.

Busca de parceiros

"Não queremos um conglomerado controlado pelo Estado, mas que ele se estruture de forma a conseguir concorrer com a Boeing", afirmou Glos, antes do encontro com os executivos da EADS.

O governador Christian Wulf disse que o grupo EADS/Airbus pensa em procurar parceiros para salvar alguns centros de produção. "Trata-se de uma questão européia. O que está em discussão é um pedaço da Europa", afirmou.

Leia mais