Duterte anuncia ″separação″ dos EUA | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 20.10.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Duterte anuncia "separação" dos EUA

Em Pequim, presidente filipino declara que se "separou" economicamente dos Estados Unidos e destaca proximidade com a China. Governo americano cobra explicações sobre a declaração e seus desdobramentos.

O presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, anunciou nesta quinta-feira (20/10) a "separação" do seu principal aliado, os Estados Unidos, e destacou a proximidade com a China, durante um fórum de negócios chinês-filipino realizado em Pequim.

"Anuncio minha separação dos Estados Unidos, militar e economicamente", disse Duterte, sem dar mais detalhes, num discurso muito crítico aos EUA realizado perante o vice-primeiro-ministro chinês, Zhang Gaoli, e após a assinatura de 13 acordos de cooperação com a segunda economia mundial junto a seu colega chinês, Xi Jinping.

 O líder filipino disse ainda que os Estados Unidos não podem mais ser vistos com o país mais poderoso do mundo, pois estariam devendo à China "muitos empréstimos". Duterte qualificou a reunião com Xi Jinping como histórica: "Ela vai melhorar e desenvolver as relações entre os nossos dois países", ressaltou. 

Ele também afirmou que espera poder receber empréstimos da China, "não de graça", esclareceu, "para melhorar a vida dos cidadãos filipinos".

Segundo números do governo filipino, a China foi em 2015 o segundo parceiro comercial das Filipinas, atrás do Japão e à frente dos Estados Unidos.

A declaração levou o governo americano a solicitar explicações a Duterte. "Queremos saber exatamente o que o presidente quis dizer quando falou sobre a separação dos EUA", afirmou John Kirby, porta-voz do Departamento de Estado americano. "Não está claro para nós o que isso significa e quais seus desdobramentos", acrescentou.

CN/efe/lusa/rtr/ap

Leia mais