Duden lança 25ª edição do dicionário de alemão | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 27.07.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Duden lança 25ª edição do dicionário de alemão

Novo dicionário tem 135 mil verbetes – 5 mil a mais que a edição anterior. Muitos estão ligados à informática e às novas tecnologias, outros refletem a nova realidade social na Alemanha. Há quem critique estrangeirismos.

default

Primeira edição, de 1880, continha apenas 27 mil termos

Neste mês de julho, foi lançada a 25ª edição do dicionário da editora Duden, com 5 mil novas palavras. Várias delas provêm do inglês e estão ligadas principalmente à informática e às novas tecnologias, assim como refletem a nova realidade social na Alemanha.

Com a incorporação dos novos termos, o dicionário Duden tem agora um total de 135 mil palavras, além de meio milhão de exemplos, esclarecimentos de significados e regras de gramática e separação silábica. Sua primeira edição, publicada em 1880, tinha "apenas" 27 mil palavras.

Quem, por exemplo, busca uma forma prática de dizer que alguém publica mensagens online utilizando o site Twitter pode dizer que esta pessoa twittert , conjugando o novo verbo twittern na segunda pessoa do singular.

Outros exemplos são os termos internetfernsehen (televisão via internet) e Fernbeziehung (relacionamento à distância). Nenhuma dessas expressões foi criada pelo dicionário Duden. Na realidade, elas já estavam na boca do povo e o renomado dicionário apenas registrou sua forma escrita, como fez também com Blogosphäre (blogosfera), Nickname (apelido ou nome de usuário), Sashimi e vários outros termos.

Critérios específicos

Antigamente, o trabalho de pesquisa das editoras exigia uma extensa leitura de livros, revistas e jornais em busca das novas palavras de um idioma. Hoje em dia, a pesquisa é feita de outra forma, como conta Werner Scholze-Stubenrecht, um dos editores do Duden: "Informatizamos a produção anual de vários livros e revistas. Assim, podemos fazer uma análise estatística e observar que palavras estão sendo usadas com frequência".

O chefe da equipe editorial, Matthias Wermke, explica que novas palavras só passam a fazer parte do dicionário quando são encontradas em um grande número de publicações variadas, como jornais, revistas, livros e trabalhos científicos. "Termos e expressões efêmeros não têm chance no Duden", afirma Wermke.

Combinações criativas

A língua alemã é famosa por compor novas palavras a partir de outras já existentes. O próprio termo Wörterbuch (dicionário) é um substantivo composto por Wörter (palavras) e Buch (livro). Grande parte dos vocábulos incluídos na 25ª edição do dicionário Duden mostra que os alemães continuam seguindo essa tradição.

Um exemplo é a expressão Frauenversteher , que une as palavras Frauen (mulheres) e Versteher (entendedor, do verbo verstehen ) para designar "alguém que entende de mulheres". Ou Komasaufen , da união de Koma (coma) e saufen (beber), que, no português coloquial, seria traduzido como "beber até cair".

Outras composições não têm um significado tão óbvio assim. É o caso de Kuschelkurs , formada a partir do verbo kuscheln (aconchegar-se) e do substantivo Kurs (curso). O novo termo é usado para indicar a postura de não ser duro demais com alguém. Pode-se dizer, por exemplo, que o Presidente Obama está preparando um Kuschelkurs com o Irã.

Estrangeirismos

Enquanto a composição de novos termos a partir do alemão é aceita com naturalidade, muitos não veem a incorporação de palavras estrangeiras com bons olhos. Apesar disso, o novo dicionário Duden está cheio de expressões provenientes da língua inglesa, como After-Show-Party , Bad Bank , Best-of e No-go-Area .

O editor Scholze-Stugenrecht enfatiza que o dicionário não age como uma polícia linguística. "As pessoas é que devem decidir que palavras usam ou deixam de usar", defende. No entanto, exceto sob o controle nazista, os alemães sempre incorporaram palavras estrangeiras, como Restaurant ou Computer .

Em certos casos, eles as adequam à sua pronúncia, criando termos como Frisör (do francês friseur ). Em outros, misturam termos alemães a outros estrangeiros, como em urcool , que une o prefixo alemão ur- (primordial) ao adjetivo inglês cool .

Autores: Benjamin Wüst/Elton Hubner

Revisão: Rodrigo Rimon

Leia mais