1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

"Don Juan de la Mancha": Toda noite de amor é uma peça de conversação

Romancista austríaco Robert Menasse enfoca reeducação dos sentidos via palavra. Um Don Juan pensativo como o narrador de Dom Quixote reflete no divã para onde teria ido o desejo.

default

Afresco erótico em Pompéia, Itália

Buchcover Robert Menasse: Don Juan de la Mancha

Don Juan de la Mancha ou Educação para o Desejo é o título do mais recente romance do escritor austríaco Robert Menasse. De Don Juan, o protagonista herdou a capacidade de passar rapidamente de mulher para mulher, pelo menos no tempo da narração. E de Dom Quixote, ele tem (não as alucinações românticas, como se poderia pensar) a ironia do narrador.

Sedutor no divã

"Eu queria perguntar, disse Hannah, se isso que o senhor está dizendo agora não lembra a sua primeira esposa. O senhor me contou que ficava irritado porque ela imitava os pais. Será que as experiências dos últimos tempos e as conclusões que o senhor pelo visto tirou não o levaram a reavaliar a história de seu primeiro casamento?"

Nathan, um jornalista vienense no divã de sua psicoterapeuta, Hannah, indagando de onde poderia vir o impulso de trair sistematicamente a esposa que ele tanto ama, imerso numa crise existencial por ter perdido o desejo e por fim numa depressão após perder os pais e o emprego. Nada menos compatível com a imagem do Don Juan clássico do ininterrupto autoquestionamento de Nathan. Nada menos impulsivo.

Amantes de Woodstock

"Eu fazia parte de grupos de estudo sobre Marx e Reich, e sabe o que é mais terrível, Hannah? Temo que na época eu considerasse a revolução mundial pressuposto até mesmo de um orgasmo: só quando toda a infelicidade do mundo fosse eliminada, a minha felicidade poderia ser absoluta, não apenas relativa."

Em Don Juan de la Mancha, Robert Menasse retrata a geração pós-68 com um sarcasmo que talvez somente um adepto dela possa mesmo ter. A representação caricatural do ambiente jornalístico, das formas de convivência pós-meia-oito, da linguagem psicoterapêutica, das práticas sexuais teoricamente excitantes tornaria o livro bem pouco complexo, se não fosse o jogo de misturar os diversos níveis narrativos sem transições nítidas, como uma corrente de consciência do narrador de primeira pessoa.

Amor e morte

Por trás de um emaranhado de farsas, o protagonista Nathan sabe-se numa crise em busca do desejo perdido. E isso o leva a um "limiar", conforme ele mesmo diagnostica, ou seja, ao confronto com o próprio envelhecimento e com a morte.

"A frase que você sonhou era: 'Você está morto'. E agora todos os seus problemas estão resolvidos.

Eu a fitei.

Ou a frase era 'Se retornarmos ao seu nascimento, você deixou de viver uma eternidade e após a vida você estará eternamente morto – não há razão para dramatizar esse breve tempo restrito entre eternidade e eternidade."

Diálogos como esse, entre o narrador e sua amante, ocorrem ao longo de todo o romance. Se, por um lado, são difíceis de serem levados a sério, dada a pouca complexidade das personagens, acabam despertando um pathos um pouco incômodo em um contexto de farsa. O herói tragicômico, editor do suplemento "Vida" de um diário vienense, extrai seu drama da morte. Difícil de convencer.

Peça de conversação

"Toda noite de amor era uma peça de conversação", resume o narrador os amores de Woodstock. E em meio a tanto falar e pensar, sobra pouco espaço para o desejo neste livro.

Nominierung Deutscher Buchpreis 2007 - Robert Menasse

Robert Menasse

Don Juan de la Mancha ou Educação para o Desejo foi recebido com múltiplas ressalvas pela crítica alemã, descontente sobretudo com o grau de trivialidade do livro. Que certamente não comprometerá o renome do autor, garantem os críticos.

Robert Menasse: Don Juan de la Mancha oder Die Erziehung der Lust. Frankfurt: Suhrkamp, 2007; 275pp.

Leia mais