1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

DOKU.ARTS exibe clássico do cinema brasileiro pela primeira vez na Alemanha

Depois de uma parceria com o Instituto Moreira Salles, no Rio, o DOKU.ARTS, festival alemão de documentários dedicados à arte, traz vários filmes brasileiros na programação e exibe o clássico "Limite", de Mário Peixoto.

A história dos documentários sobre arte é quase tão antiga quanto a própria história do cinema. Desde que as imagens em movimento começaram a se popularizar, cineastas mostravam fascinados o desenvolvimento do processo artístico.

Esse registro é muitas vezes um processo longo, resultando em um profundo olhar sobre a vida e o trabalho desses artistas. O tema é parte essencial na carreira de grandes cineastas como Agnès Varda, Manoel de Oliveira, Claire Denis e Wim Wenders. 

Ex-isto

Cena de "Ex-isto" do diretor Cao Guimarães

“Fizemos uma pesquisa na Academia de Artes de Berlim e constatamos que a porcentagem de filmes sobre arte no programa dos grandes festivais internacionais de documentário, como Amsterdam, Leipzig e Toronto, era muito pequena. Mas isso vem mudando radicalmente nos últimos anos”, disse Andreas Lewin em entrevista à DW Brasil. Ele é o fundador e diretor do DOKU.ARTS, que acontece em Berlim.

O festival não é competitivo e apresenta 30 filmes nesta edição, dos quais 18 são inéditos na Alemanha. A importância e a produção dos documentários sobre arte têm crescido. Esses filmes se destacam não só por mostrarem o processo de produção artística, mas também a importância da arte como processo de mudança social.

Brasil em foco

O DOKU.ARTS é realizado pela Academia de Artes de Berlim. Depois de uma bem sucedida parceria de três anos com o Museu Holandês de Cinema, em Amsterdã, o DOKU.ARTS foi realizado em maio deste ano no Instituto Moreira Salles, no Rio de Janeiro. Por isso, a programação desta edição está repleta de filmes brasileiros.  

"A parceria com o Instituto Moreira Salles foi ótima. Eles foram de grande importância para a edição do festival deste ano e essenciais para termos um variado intercâmbio de filmes. Somos duas pequenas instituições de cinema com orçamentos limitados e conseguimos reunir fantásticos filmes. Seria maravilhoso se pudéssemos continuar colaborando", disse Lewin.

Atos do Diamante

Obra do diretor Arthur Omar, um dos convidados especiais do DOKU.ARTS 2012

Pode-se dizer que uma boa amostra da diversidade artística brasileira está presente nos filmes selecionados para o DOKU.ARTS em Berlim. A bossa nova está representada por A música segundo Tom Jobim, de Nelson Pereira dos Santos. Onde a terra acaba, de Sérgio Machado é uma homenagem ao grande clássico do cinema brasileiro, que também será exibido como parte do festival. "O programa desta edição aborda 80 anos da criação artística no Brasil. A maior parte desses filmes nunca foi exibida na Alemanha", explica Lewin.

Outro destaque é a retrospectiva dos filmes de Arthur Omar. O artista foi um dos pioneiros em lidar com novas mídias, como o vídeo, na arte brasileira. "É uma honra ter Arthur Omar como convidado especial deste ano. Ele é conhecido na Alemanha apenas pelo seu trabalho realizado nos anos 1970. Selecionamos também seus trabalhos mais recentes", disse o diretor do DOKU.ARTS.

Marco na história da arte

A história da produção artística no Brasil é homenageada com a estreia na Alemanha de Limite, considerada uma das maiores jóias perdidas do cinema mundial. O filme foi realizado pelo escritor e diretor Mário Peixoto quando ele tinha apenas 21 anos e foi seu único trabalho concluído.

Stummfilm Limite 1931

"Limite", de Mário Peixoto, estreia na Alemanha

"Como poucos filmes mudos e de ficção, Limite tem um valor documental enorme, que pode ser visto na contida e intensa atuação do elenco, algo pouco comum na época. O filme é uma grande fusão entre elementos do expressionismo alemão com um realismo mágico inovador. Limite não é só um marco na história do cinema, mas um marco na história da arte", disse Lewin. 

A obra-prima de Peixoto teve sua estreia no Rio de Janeiro em 1931 e causou muita polêmica por seu caráter experimental e sua narrativa que lida com a passagem do tempo, ao destrinchar a condição humana de personagens à deriva em um barco.

Esquecido por décadas, o filme foi redescoberto nos anos 1970 e se tornou referência cultural do cinema brasileiro. Entre seus admiradores estão os diretores Walter Salles, Serguei Eisenstein e Orson Wells, além de ser um dos dez filmes favoritos de David Bowie.

Para o diretor do festival, o filme tem que ser visto e popularizado em todo o mundo. "Fazemos parte da Cinemateca de Berlim, então é muito importante podermos mostrar Limite, ainda mais em uma cópia primorosamente restaurada", elogiou Lewin. A restauração foi feita pela World Cinema Foundation, na Cineteca di Bologna em parceria com a Cinemateca Brasileira, e teve sua estreia no festival de Cannes em 2007.

A magnitude de Limite serve para lembrar que em uma era em que as plataformas de mídia mudam e se transformam com tanta rapidez, usar a arte para retratar a arte é um caminho de não só documentar, mas também de refletir sobre o papel dela em nossa história.

O DOKU.ARTS acontece no Zeughauskino em Berlim até 14 de outubro.

Autor: Marco Sanchez
Revisão: Francis França

Leia mais