Dois Van Goghs são localizados em Nápoles 14 anos após roubo | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 30.09.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Arte

Dois Van Goghs são localizados em Nápoles 14 anos após roubo

Em batida contra a máfia, polícia napolitana acha paisagens a óleo desaparecidas desde 2002, quando foram roubadas do Museu Van Gogh de Amsterdã. Obras têm alto valor artístico e são avaliadas em 100 milhões de euros.

Museu Van Gogh de Amsterdam

Telas foram roubadas do Museu Van Gogh de Amsterdam em 2002

Duas obras do pintor holandês Vincent van Gogh (1853-1890), roubadas em Amsterdã 14 anos atrás, foram localizadas em Nápoles, anunciou nesta sexta-feira (30/09) a polícia da cidade no sul da Itália. Os investigadores encontraram os quadros durante uma batida contra a máfia local, a Camorra. Cada tela é estimada em cerca de 50 milhões de euros.

Vincent Van Gogh: Congregação sai da Igreja de Nuenen, 1884-85

"Congregação sai da Igreja de Nuenen", 1884-85

Segundo a avaliação do Museu Van Gogh, tanto Paisagem marinha em Scheveningen (1882) quanto Congregação sai da Igreja Reformista de Nuenen (1884-85) estão em bom estado, apesar de terem sido retiradas das molduras originais.

Dentro de um cofre e envolvidas num pano, elas se encontravam numa casa de campo ao sul de Nápoles. Segundo a polícia, trata-se de uma propriedade pertencente ao criminoso Raffaele Imperiale.

Em janeiro último, o empresário de 41 anos foi acusado de manter uma rede de tráfico de cocaína juntamente com altos membros da Camorra. Desde então, Imperiale está foragido e suspeita-se que more e dirija uma construtora em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos. As prisões de 11 outros membros da rede napolitana de narcotráfico colocaram os investigadores na pista das pinturas.

Vincent Van Gogh: Paisagem marinha em Scheveningen, 1882

"Paisagem marinha em Scheveningen", 1882

Alto valor histórico

O ousado assalto ao Museu Van Gogh, em 2002, é classificado pelo FBI como um dos dez principais crimes do mundo envolvendo obras de arte. Três anos mais tarde, dois homens foram presos e condenados à prisão, com base em exames de DNA. No entanto, nem mesmo a recompensa de 100 mil euros oferecida pelo museu levou à localização das obras.

"Os quadros foram encontrados!", declarou o diretor do Museu Van Gogh, Axel Rüger, nesta sexta-feira. "Eu nem ousava mais esperar que um dia fosse poder pronunciar essas palavras. Ainda não está certo quando eles retornarão a Amsterdã. Mas acredito plenamente que, mais uma vez, podemos contar com o apoio incondicional das autoridades italianas."

Além de seu valor venal, as telas têm grande importância histórico-artística. Ambas datam do período anterior à decisiva ida do artista para Paris. Paisagem marinha foi pintada diretamente na costa holandesa, como provam os grãos de areia incrustados na espessa camada de tinta a óleo. Congregação, presenteada à mãe do pintor, retrata a igreja em que o pai de Vincent van Gogh era pastor.

AV/ap/afp/rtr/dpa

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados