1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Doença da corrupção se alastra na Alemanha

O crescente número de escândalos da iniciativa privada refletiu no relatório da Transparência Internacional. Segundo o documento, os alemães acreditam que a corrupção está dominando o país.

default

Embora o ato de corromper e ser corrompido façam parte do mecanismo que movimenta a maioria das sociedades, os alemães viviam protegidos pelo provérbio de que "o que os olhos não vêem, o coração não sente".

Porém, finalmente eles perceberam que o país também foi afetado por este mal. E de forma generalizada. É o que a ONG Transparência Internacional (TI) constatou em relatório publicado este mês. Como corrupção, a TI definiu "o abuso do poder outorgado, para ganho pessoal".

E esta noção tem sido fomentada na percepção das pessoas, de acordo com Hansjörg Elshorst. Para o presidente da ONG na Alemanha, "o tema está na pauta e ganhou mais atenção da mídia, o que aumentou seu interesse".

Tanto que os próprios alemães percebem seu país como bem mais corrupto do que o considera o restante da Europa ocidental.

Corrupção corporativa

Transparency Hansjörg Elshorst und Peter Eigen

Hansjörg Elshorst (esq.) com Peter Eigen, presidente da Transparência Internacional

O resultado da pesquisa indica que os políticos têm a imagem mais maculada para os alemães.Elshorst insiste: é apenas uma questão de tempo até a triste realidade da corrupção no mundo dos negócios se infiltre na psique nacional.

"Os primeiros escândalos que chegaram à mídia foram de caráter político. Assim, as pessoas partem simplesmente do princípio que os políticos são os bandidos. Temos que recuperar o equilíbrio e demonstrar a realidade da situação em outras áreas", comenta. Elshorst se refere às práticas escusas dos negócios, que, não envolvendo personalidades de destaque, acabam ficando ocultos ao público.

O problema é imenso. Uwe Dolata, porta-voz do Departamento Federal de Investigações (BKA) diz que a corrupção está tão arraigada no mundo dos negócios alemão, que a polícia criou uma divisão especial para tratar do tema.

"Por muito tempo, os crimes de colarinho branco eram um assunto incômodo e não tínhamos detetives especializados. Agora dispomos de investigadores treinados, em todos os Estados alemães", ressalta.

Alternativas

Das Bundeskriminalamt in Wiesbaden

Sede do BKA em Wiesbaden

Calcula-se que 95% dos casos de corrupção corporativa acontecem sem serem percebidos pela mídia. Por isso, há uma grande carência de medidas mais drásticas, tanto corretivas como preventivas.

Dolata acredita que um passo poderia ser a introdução de ombudsmen – pessoas que exercem a função de ouvidores. Entre as empresas que adotaram este sistema com sucesso, está a Deutsche Bahn, operadora da rede ferroviária alemã.

Desde que a DB priorizou, em 2000, o combate à corrupção interna, seu ouvidor ajudou a revelar 400 casos. A empresa poderia ser um modelo para o setor ou para a próxima geração de administradores, que, conforme Dolata, tem uma atitude surpreendentemente liberal quanto ao crime corporativo.

Normalidade

O porta-voz do BKA é freqüentemente confrontado com opiniões de estudantes da Universidade de Würzburg, onde ensina anticorrupção. "Eles chegam achando que a corrupção é uma componente essencial do mundo dos negócios", explica. A abordagem parte da premissa de que "todos fazem, e se eu quiser ir adiante, vou ter de fazer também". Para Uwe Dolata, "a culpa deste raciocínio cabe à mídia".

Leia mais