Documentos provam que policial que matou estudante em 1967 era espião da Stasi | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 22.05.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Documentos provam que policial que matou estudante em 1967 era espião da Stasi

Novas informações indicam que policial que matou o estudante Benno Ohnesorg numa manifestação em Berlim no ano de 1967 era espião da polícia política da então Alemanha Oriental.

default

Benno Ohnesorg, morto por policial em manifestação em Berlim

A morte do estudante Benno Ohnesorg, no dia 2 de junho de 1967 durante uma passeata em Berlim, entrou para a história alemã como o fato que levou a uma radicalização dos protestos estudantis – até então pacíficos – no país naquele ano que antecedeu ao lendário 1968. Ohnesorg foi morto a tiros pelo policial Karl-Heinz Kurras, em circunstâncias até hoje não esclarecidas, durante protestos contra a visita do então xá da Pérsia a Berlim Ocidental.

Kurras, segundo informações divulgadas pela emissora de televisão ZDF e pelo diário Frankfurter Allgemeine Zeitung, na última quinta-feira (21/05), trabalhava como espião para a então Alemanha Oriental, de regime comunista. De acordo com o jornal, essas informações foram fornecidas pelo Departamento Birthler, responsável pela administração dos arquivos da Stasi, a polícia política da ex-República Democrática Alemã (RDA).

A emissora ZDF divulgou que Kurras, um policial então em atividade em Berlim Ocidental, havia assinado, antes do assassinato de Ohnesorg, documentos se comprometendo a espionar os bastidores da polícia do lado ocidental, a serviço da polícia política da RDA.

Relatório será divulgado em breve

Helmut Müller-Enbergs, especialista em espionagem do Departamento Birthler, afirmou à rede de televisão que não há, porém, nos documentos encontrados, qualquer indício de que Kurras tenha, em suas atividades de espião, recebido a incumbência de assassinar Benno Ohnesorg. O policial Kurras atirou no estudante a curta distância, causando ferimentos graves que levaram à sua morte.

Flash-Galerie Deutschland 60 Jahre Kapitel 2 1959 – 1969 Studentenbewegung

Estudantes em protesto no centro de Munique, carregando cartaz: 'Benno Ohnesorg: assassinato político'

O relatório completo a respeito dos 17 volumes que descrevem a colaboração de Kurras com a Stasi deverá ser publicado, de acordo com o jornal e a TV alemães, na próxima edição da revista Deutschlandarchiv (Arquivo da Alemanha), a ser publicada no próximo dia 28 de maio.

Exigências de reabertura do processo

Carl-Wolfgang Holzapfel, presidente da Associação 17 de Junho e vice-presidente da Associação das Vítimas do Stalinismo, entrou com uma queixa contra Kurras, hoje um aposentado de 81 anos. De acordo com o jornal berlinense Der Tagesspiegel, o ex-policial nega terminantemente ter algum dia cooperado com a Stasi.

"Crimes de assassinato não prescrevem", lembra Holzapfel, que defende uma reabertura imediata das investigações no caso Kurras. O policial foi considerado inocente em dois processos, nos anos de 1967 e 1970, cujas acusações eram de homicídio culposo. Sua colaboração com a polícia política da então Alemanha Oriental só veio a público agora.

SV/dpa/afp

Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais