1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

documenta

Documenta 13 leva quatro artistas brasileiras a Kassel

Comunicativa, sensorial, esotérica: muitos adjetivos podem definir a 13ª edição da Documenta, a mais renomada exposição da arte contemporânea do mundo. Neste ano, o Brasil está representado por quatro mulheres.

"Confundir é algo realmente lindo", disse a curadora Carolyn Christov-Bakargiev durante a coletiva de imprensa da Documenta, a mais importante exposição mundial de arte contemporânea, que abriu as portas ao público neste final de semana, em Kassel, no centro da Alemanha.

Num momento em que a arte ganha um espaço nunca antes visto no cotidiano das pessoas, a exposição, que dura 100 dias e acontece a cada cinco anos, se espalhou por todo o centro de Kassel. Desde que foi criada, em 1955, o número de espaços de exposição da Documenta nunca foi tão grande como em sua atual 13ª edição: mais de 180 artistas participam da mostra de 2012.

Segundo o prefeito de Kassel, Bertram Hilger, a Documenta deste ano refletiu intensamente sobre a cidade de Kassel. Por outro lado, com seminários em Cabul, Afeganistão, em Alexandria, Egito, e em Banff, Canadá, a Documenta deste ano também chega a outras partes do mundo.

Como afirma a própria curadora da mostra, "a exposição em Kassel se ocupa intensamente de um lugar, mas, ao mesmo tempo, ela estabelece também um 'polílogo' com outros lugares".

Na coletiva de imprensa, Christov-Bakargiev iniciou sua palestra com o exemplo de um trabalho que não pôde ser realizado, mas que ligaria Kassel à América do Sul e a outras partes do universo: a Documenta pretendia trazer para Kassel o El Chaco, segundo maior meteorito do mundo, que caiu no norte da Argentina. A resistência de antropólogos e da população indígena local impediu que a rocha de 37 toneladas fosse exposta no Museu Fridericianum em Kassel.

Curadora Carolyn Christov-Bakargiev (esq.) em Kassel

Curadora Carolyn Christov-Bakargiev (esq.) em Kassel

Posições marxistas

"A arte cria fatos", disse ainda a curadora na coletiva de imprensa. Ela se aproxima assim da posição de Karl Marx, para quem a arte, em vez de reflexo, seria criadora de realidade. Com trabalhos bastante sensoriais, a Documenta deste ano convida o visitante a sentir e a refletir sobre a arte, ao mesmo tempo que "não acompanha o tempo da sociedade e deixa espaço para aquilo que não é evidente", explicou a curadora.

Dessa forma, a Documenta 13 não celebra as novas mídias, como também não dá destaque a formas clássicas das belas-artes, como a pintura e escultura. Segundo Christov-Bakargiev, existem formas de conhecimento que remanejam o mundo e que não são necessariamente arte, mas que podem ser legíveis através da arte.

Assim, além de diversas instalações, performances e um intenso programa de filmes, o visitante poderá vivenciar uma sessão de hipnotismo, apreciar motores de automóveis ou conhecer mais de perto o trabalho do físico quântico austríaco Anton Zeilinger e sua equipe.

Instalação 'O retorno de um lago' (2012), de Maria Thereza Alves

Instalação 'O retorno de um lago' (2012), de Maria Thereza Alves

Maria Thereza Alves

A ecologia é também um ponto bastante forte na Documenta 13. Um exemplo disso é o trabalho de Maria Thereza Alves, artista brasileira convidada a expor no museu de história natural Ottoneum, uma das locações da mostra deste ano. Em sua obra O retorno de um lago (2012), Thereza Alves tematiza o processo de secagem de um lago na região Chalco, próximo à cidade do México.

Antes da chegada dos espanhóis, no século 16, essa região era ocupada por milhares de chinampas, ilhas artificiais instaladas pelos nativos. De lá, eles colhiam anualmente 20 milhões de toneladas de milho, responsáveis pela alimentação de 170 mil pessoas. No século 19, um empresário espanhol comprou as terras e secou o lago, para dar espaço à sua empresa agrícola.

Como diretora do Museu da Cidade do México, uma descendente do empresário prepara agora uma exposição sobre a política hidráulica da cidade, retratando seu antepassado como um "divisor de águas" em tal política. Para protestar contra a dissimulação dos fatos, a artista brasileira trouxe a Kassel uma instalação que trata essa história como modelo persistente do colonialismo.

Escultura 'O Impossível' (1945) da brasileira Maria Martins

Escultura 'O Impossível' (1945) da brasileira Maria Martins

Maria Martins

Além de aficionada de cães – uma das obras da Documenta é destinada somente a pessoas acompanhadas por cachorros – a curadora Carolyn Christov-Bakargiev diz defender posições "feministas". Coincidência ou não, o Brasil está representado por quatro mulheres na Documenta deste ano.

Uma delas é Maria Martins, artista modernista brasileira falecida em 1973. Casada com um diplomata, Maria, como gostava de ser chamada, viveu em Quito, Paris, Copenhague, Tóquio, Bruxelas, Nova York, Washington e Rio de Janeiro. Ela foi escultora, gravurista, pintora e autora, tendo escrito um livro sobre o filósofo Friedrich Nietzsche.

Em suas obras expostas na Neue Galerie de Kassel, Maria Martins se afasta da escultura tradicional, desenvolvendo um figurativismo fantástico inspirado na mitologia da Região Amazônica.

Renata Lucas diante de 'Ontem, areias movediças' (2012), no subsolo do Museu Fridericianum

Renata Lucas diante de 'Ontem, areias movediças' (2012), no subsolo do Museu Fridericianum

Renata Lucas

Espalhadas pelos interiores e subterrâneos de Kassel, as obras da artista paulista não são fáceis de achar, parte de sua obra Ontem, areias movediças (2012) permaneceu até mesmo fechada por engano durante o primeiro dia de abertura da mostra para a imprensa e convidados, na semana passada.

Lucas utiliza o subsolo da Praça Friedrichplatz e de seus arredores para introduzir um elemento arquitetônico estranho, em forma de pirâmide, sob o piso de concreto que domina o centro de Kassel. O mesmo elemento se encontra no subsolo de quatro edifícios que circundam a praça. A dimensão da planta baixa resultante da interligação desses quatro elementos, só pode ser reconstruída, todavia, diante do "olho interno".

Segundo a Documenta, "com suas intervenções cirúrgicas temporárias no tecido urbano, Renata Lucas desloca para fora as fronteiras do nosso entorno construído. Ela pesquisa como esse entorno determina as ações e comportamentos do nosso cotidiano e questiona as definições tradicionais de espaço, propriedade e ordem".

Instalação 'Aqui e ali' (2012), de Anna Maria Maiolino

Instalação 'Aqui e ali' (2012), de Anna Maria Maiolino

Anna Maria Maiolino

Também difícil de achar e localizado nos limites do parque Karlsaue está uma das obras mais comentadas desta Documenta: a instalação Aqui e ali (2012) da artista brasileira Anna Maria Maiolino, que venceu neste ano a primeira edição do Prêmio Masp/Mercedes-Benz de Artes Visuais.

Nascida na Itália, Maiolino desenvolveu a maior parte de sua obra no Brasil, desde sua chegada ao país, em 1960. Em Kassel, o trabalho de Maiolino ocupou todos os espaços da antiga casa do jardineiro do parque. Formas cerâmicas encobrem os móveis do pavimento térreo. No primeiro andar, galhos de plantas impedem a passagem dos visitantes.

No subsolo, uma voz declamando uma poesia projetada em monitores transforma a instalação numa obra de arte total. A espetacular obra de Maiolino remonta à ausência do corpo e à presença de lembranças – como a casa dos pais que se deixou para trás.

A dOCUMENTA (13), denominação oficial da mostra, ficará aberta ao público até o dia 16 de setembro de 2012.

Autor: Carlos Albuquerque
Revisão: Augusto Valente

Leia mais