1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Do ruído cósmico à música

O Festival de Donaueschingen é o mais importante evento de música erudita contemporânea da Alemanha.

default

O cartaz oficial do evento é assinado pelo artista Georg Baselitz

Desde 1950 a pequena cidade de Donaueschingen, situada em plena Floresta Negra, sul da Alemanha, torna-se por alguns dias a meca da música contemporânea alemã e européia. Renomados compositores do século 20, como Hindemith, Stravinski, Schoenberg, Boulez, Stockhausen, Nono e Xenakis tiveram obras estreadas no Festival de Donaueschingen.

Todos os anos, são encomendadas novas obras a compositores consagrados e jovens talentos. Ao lado dos tradicionais gêneros vocal, instrumental, música de câmara e sinfônica, Donaueschingen tornou-se um verdadeiro laboratório para novas formas: música concreta, eletrônica, peças radiofônicas, música de filme, projetos multimídia e, mais recentemente, instalações sonoras e visuais.

A consciência do ruído

Fiel à sua tradição experimental, o evento de 2003 tematiza o ruído como fonte de tudo o que é criado musicalmente. O ruído é a matéria constitutiva da música, pois todo o universo é constituído de ruído, e a música tem a função de dar formas e estruturas a este ruído que percebemos de forma subliminar.

A tecnologia musical contribuiu também para tornar consciente a função do ruído na música. Todos os aparelhos eletrônicos ­ – como microfones, amplicadores, alto-falantes, etc – funcionam no sentido de otimizar a relação entre ruído e sinal. O computador e a tecnologia digital vão ainda mais longe, transformando o som em informação numérica, que pode ser analisada, transformada e modelada.

Sons de rua acompanhados de orquestra

O projeto Altar, do compositor austríaco Peter Albiner (1959), tematiza a percepção dos ruídos de rua. Em três diferentes pontos da cidade de Donaueschingen, ele instalou colunas dotadas de microfones e fones de ouvidos, onde se pode ouvir o som ambiente, sem nenhuma transformação.

A gravação desses sons é utilizada em duas outras obras, apresentadas em concertos do festival: Estudos complementares, para violoncelo e orquestra, e Três minutos para orquestra. Em ambas as obras, o ouvinte é instigado a se conscientizar da diferença entre o som ambiente e o som “composto”. Segundo o compositor, é a “orquestra que acompanha os ruídos da rua, e não o contrário.”

O gesto e o som

Beyond the Boundary of Silence (Além da fronteira do silêncio) é o título da obra encomendada ao jovem compositor russo Vadim Karassikov (1972), que será estreada em Donaueschingen pelo conjunto Klangforum de Viena. Karassikov considera que o som é apenas parte de um processo que inclui também energia, intenção e movimento. Este processo é representado pelo gesto musical, que seria a essência da música. Karassikov se propõe a amplificar temporalmente a dinâmica dos gestos (como em câmera lenta), a fim de mostrar a parte escondida deste imenso iceberg que é o gesto musical, e do qual o som não é mais do que a ponta sobre a superfície.

Música e vídeo interativos

Uma das principais tendências da música contemporânea, desde o início da década de 90, é a utilização do computador para criar processos interativos, ou seja, elementos que são produzidos por computador mas controlados pelos intérpretes durante a execução. No início, a interatividade limitava-se à produção de sons. Mas, graças ao aumento da capacidade de cálculo dos computadores, os compositores estão utilizando cada vez mais em suas obras imagens e vídeos interativos associados aos sons.

Algumas das peças encomendadas pela Rádio SWF, principal patrocinadora do Festival de Donaueschingen, apontam tendências da música interativa. Por exemplo: Panorama, de Arnulf Herrmann, para conjunto, eletrônica ao vivo, ator e vídeo interativo; Rad, de Enno Pope, para dois teclados; People / Time, de Pierre Jodlowski, para clarinete, trombone, violino, violoncelo, percussão, sistema de difusão sonora em oito canais e vídeo interativo.

Turntable, notebook e orquestra

Luciano Berio

Luciano Berio sempre foi muito ligado ao Festival de Donaueschingen

O Festival de Donaueschingen reflete o plurarismo da criação musical contemporânea. O duo formado pelo francês erikm e o austríaco Christian Fennesz utiliza instrumentos como turntables, notebooks guitarras de rock para recriar eletronicamente um universo sonoro de sons concretos e ruídos.

Compositores como o português Emmanuel Nunes, professor do Conservatório de Paris, e o alemão Walter Zimmermann, professor do Conservatório de Berlim, representam influências respectivamente da estética serialista e da música de John Cage, duas referências fundamentais da segunda metade do século 20.

O tradicional concerto de encerramento com a Orquestra Sinfônica da SWR, dirigida pelo maestro Sylvain Cambreling, apresenta, ao lado de estréias de novas composições de Isabel Mundry, Georg Friedrich Haas e do citado Peter Ablinger, uma reexecução da obra Chemins I, para harpa e orquestra, do compositor italiano Luciano Berio. Falecido em maio de 2003, Berio sempre esteve ligado ao Festival de Donaueschingen, que estreou várias de suas peças, inclusive Chemins I, no ano de 1965.

Leia mais

Links externos