DJ recebe ameaças de morte por remix com oração muçulmana | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 04.04.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

DJ recebe ameaças de morte por remix com oração muçulmana

Artista britânico faz remix com chamada para oração para muçulmanos em festival na Tunísia. Após onda de indignação, músico pede desculpas, e autoridades tunisianas fecham a boate.

DJ

DJ britânico Dax J vive em Berlim

Um DJ britânico teve de se desculpar por fazer um remix com o azan – a chamada à oração dos muçulmanos – num festival de música eletrônica na Tunísia. Autoridades tunisianas fecharam a boate e abriram um inquérito.

Os presentes na boate aparentemente apreciaram a música, mas um vídeo do remix com a convocação à oração muçulmana postado nas redes sociais provocou indignação em todo o país. O DJ Dax J recebeu mais de 200 ameaças de morte desde o acontecimento no Orbit Festival, na última sexta-feira.

O Ministério de Assuntos Religiosos tunisiano condenou a apresentação do DJ britânico, afirmando que "zombar das opiniões e dos princípios religiosos dos tunisianos é absolutamente inaceitável".

O DJ Dax J, que vive em Berlim, publicou em sua conta no Facebook um pedido de desculpas. "Quero oferecer minhas sinceras desculpas a qualquer pessoa que possa ter sido ofendida pela música que eu toquei no Orbit Festival na Tunísia", escreveu. Posteriormente, sua página na rede social foi desativada devido a uma série de ameaças e insultos nos comentários.

Organizadores do festival perto da cidade costeira de Hammamet também emitiram um pedido de desculpas. "Dax J não tinha a intenção de provocar raiva ou ofender. Está claro, depois de suas desculpas, que Dax J é sincero e não tem motivo para maltratar nossos queridos festeiros", escreveram.

O governador local Mnaouar Ouertani disse à agência francesa de notícias AFP que em resposta ao clamor popular "decidimos fechar esta boate" até nova ordem. "Não permitiremos ataques contra os sentimentos religiosos e o sagrado", concluiu.

PV/afp/dpa   

Leia mais