1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Disputa eleitoral apertada ameaça levar Indonésia a impasse político

Resultados não oficiais apontam vitória de Joko "Jokowi" Widodo sobre o rival Prabowo Subianto. Mas ambos os candidatos à presidência reivindicam vitória.

default

Subianto (direita) e Jokowi

Poucas horas depois do fechamento das urnas nesta quarta-feira (09/07), o governador de Jacarta, Joko "Jokowi" Widodo, se autoproclamou vencedor das eleições presidenciais na Indonésia. De acordo com apurações não oficiais, o político de 53 anos obteve por volta de 52% dos votos, apenas cerca de cinco pontos percentuais à frente de seu adversário, o ex-general Prabowo Subianto.

A contagem não oficial, conhecida como "quick counts", é baseada na amostra de cerca de 1% dos votos depositados em locais de votação selecionados e, em eleições passadas, mostrou-se capaz de prever resultados corretamente. Mas Prabowo – visto por muitos como um representante da era autocrática na Indonésia – logo apresentou outros números não oficiais, provenientes de sua equipe de campanha. Tais resultados indicam que Prawobo e seu vice, Hatta Rajasa, receberam "o apoio e o mandato do povo da Indonésia", segundo a agência de notícias AFP.

Entretanto, Prabowo ainda precisa apresentar provas de que venceu as eleições, afirma Gregory Poling, especialista em Sudeste Asiático do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais (CSIS, na sigla em inglês) de Washington. As três maiores agências independentes que divulgaram contagens rápidas indicaram Yokowi como vencedor, com uma vantagem que varia de 3,5% a pouco mais de 5% – ou seja, fora da margem de erro de mais ou menos 1%.

Efeito polarizador

Os resultados oficiais não deverão sair até 22 de julho, devido às complexidades da contagem eleitoral ao longo do arquipélago composto por mais de 17 mil ilhas. Mas a reivindicação da vitória pelos candidatos já levou a um impasse sem precedentes no país, que até agora só testemunhou duas eleições diretas para a presidência após a queda do autocrata de longa data Hadji Suharto, em 1998.
As duas últimas eleições presidenciais foram vencidas com uma grande margem de votos pelo presidente Susilo Bambang Yudhoyono, que deverá deixar o cargo em outubro deste ano.

Poling argumenta que "não haveria nada de errado se Prabowo esperar até que saíssem os resultados oficiais para ceder, mas insistir que ele já ganhou é um pouco desconcertante." Entretanto, é mais provável que o ex-general entre com um recurso após os resultados oficiais serem anunciados.

Segundo Poling, também é possível que Prabowo continue a insistir na vitória e se oponha ao aparente triunfo de Yokowi. "Isso pode vir a tornar as coisas desconfortáveis para a sua coalizão e para o eleitorado, já que ele certamente poderá exercer um efeito polarizador sobre seus apoiadores durante as próximas semanas." No final, porém, Prabowo sofrerá uma enorme pressão para aceitar a derrota, não importa o quão doloroso isso venha a ser para ele, acrescenta Poling.

Frustração crescente

Indonesien Wahlen Joko Widodo 09.07.2014

Jokowi, ex-vendedor de móveis da ilha de Java, autoproclamou-se vencedor das eleições poucas horas após fechamento das urnas

A Indonésia não é somente o mais populoso país de maioria muçulmana, mas também a terceira maior democracia do mundo, com cerca de 190 milhões de eleitores. Muitos analistas consideram notáveis as conquistas democráticas do país do Sudeste Asiático após o fim da ditadura de Suharto. Mas, nos últimos anos, a frustração com a desaceleração da economia vem aumentando, com o crescente radicalismo islâmico, a pobreza e a corrupção desenfreada.

"A corrupção tem sido o foco da campanha, com ambos os candidatos prometendo limpar o sistema. Esta é claramente uma questão motivadora, especialmente para os jovens indonésios que votaram pela primeira vez e estavam fartos com os lentos avanços das promessas de administrações passadas com vista ao combate da corrupção", disse Poling. No entanto, o analista está convencido de que para a maioria dos eleitores, "questões básicas da economia e o acesso aos serviços sociais" foram decisivos.

Campanha de difamação?

Muitos analistas acreditam que a vitória de Yokowi – um ex-vendedor de móveis da ilha de Java – poderia dar início a uma nova era de reformas democráticas e a um estilo diferente de liderança em termos da abordagem dos problemas econômicos e do agravamento da situação de direitos humanos.

Mas Prabowo – o ex-general que se tornou empresário e se casou com a filha de Suharto em 1983 – acabou sendo um candidato forte. Apenas há poucas semanas, as pesquisas de opinião apontavam que Yokowi, o candidato do oposicionista Partido Democrático da Indonésia para a Luta (PDI-L), era o claro favorito para ganhar as eleições.

No entanto, a equipe de Prabowo conseguiu diminuir a vantagem, ganhando apoio de outros partidos grandes e lançando uma campanha cara e agressiva e sugerindo, entre outras coisas, que Yokowi era um cristão de origem chinesa, uma alegação politicamente perigosa no país de maioria muçulmana. Yokowi negou as alegações.

Teste para a democracia

Indonesien Präsidentschaftswahlen 09.07.2014

Subianto é um ex-general que se tornou empresário e se casou com a filha do ex-ditador Suharto

Independente de quem vencer as eleições, o próximo presidente da Indonésia terá de enfrentar grandes desafios, que vão desde o combate à corrupção ao reaquecimento da economia. "O novo presidente terá de enfrentar imediatamente os problemas de gerir uma coalizão, que terão início com a nomeação do seu gabinete. Essa sempre foi uma pedra no sapato de Yudhoyono, que teve de lidar com uma coalizão incômoda e muitas vezes sabotadora", disse Poling.

Em termos de economia, ambos os candidatos prometeram políticas favoráveis ao mercado, para retomar o crescimento econômico na maior economia do Sudeste Asiático, mas eles também privilegiaram uma agenda focada na proteção das empresas e recursos locais, o que levou a preocupações entre os investidores estrangeiros.

Rajiv Biswas, economista-chefe para a região Ásia-Pacífico na empresa de análises IHS, disse à DW que o futuro presidente terá que decidir se persegue uma estratégia de globalização e maior integração internacional ou políticas protecionistas mais nacionalistas, que poderiam vir a inviabilizar a atual dinâmica de crescimento econômico da Indonésia.

"As perspectivas para a Indonésia, em médio prazo, serão moldadas pela agenda política do próximo presidente. Como tem havido uma virada significativa em direção a políticas nacionalistas nos dois últimos anos, principalmente no setor de recursos naturais, uma das principais preocupações de investidores globais é se essa política também pode vir a ser adotada em outros setores industriais", considera Biswas.

Os analistas concordam que o resultado da eleição será fundamental para mostrar se a democracia realmente se consolidou no país asiático de 240 milhões de habitantes. Segundo Poling, uma democracia não está realmente consolidada até que haja uma transferência pacífica de poder de um partido devidamente eleito para outro.

"O presidente Yudhoyono foi o primeiro presidente eleito pelo voto direto. Agora ele está deixando o cargo tranquilamente, e um novo chefe de Estado de outro partido assumirá o cargo. Isso é uma grande coisa", diz Poling.

Leia mais