1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Diretor Fatih Akin enfoca escândalo ecológico na Turquia

Vencedor da Berlinale em 2004 com "Contra a parede", Fatih Akin trilha novos caminhos. Seu novo "docuthriller" explora a corrupção e as contradições da política ambiental de Ancara.

default

Fatih Akin durante as filmagens de 'Crossing the bridge'

Durante as pesquisas para seu novo filme, o diretor turco baseado em Hamburgo Fatih Akin contatou o ministro do Meio Ambiente da Turquia, Osman Pepe, em Ancara. A resposta não foi exatamente calorosa. "O senhor pode entender de filmes, mas não sabe nada sobre assuntos ambientais", atacou o ministro.

Talvez Akin prove que o político estava errado. Seu docuthriller mais recente – título provisório: Lixo no Jardim do Éden – analisa a guerra dos 3,5 mil habitantes de Camburnu contra um depósito de lixo planejado em sua localidade. Ela se situa na região próxima à costa turca do Mar Negro, caracterizada pelas plantações de chá.

Final feliz ou tragédia

O diretor logo notou que não tinha motivo para esperar muita ajuda das autoridades. "O capítulo já foi encerrado", sentenciou o ministro Pepe, numa discussão que não permitiu que fosse filmada. Entretanto, as primeiras tomadas da costa do Mar Negro já estão prontas.

"Se conseguirmos fazer pressão suficiente para parar o projeto, pode haver um final feliz", comentou o cineasta de 33 anos em entrevista à agência de notícias DPA em Istambul. "Mas também pode acabar em tragédia, com o fim da localidade."

O teuto-turco tem um envolvimento pessoal com a resistência dos moradores de Camburnu. "É a cidade de meu avô. Venho lutando há dois anos, junto com os habitantes."

Ajuda de fora

Friedmann Beckstein und Claudia Roth warnen vor WM Iran Spiel

Claudia Roth (d) protestou contra o escãndalo de lixo em Camburnu

Com tanta coisa em jogo, Fatih Akin está pondo em prática todos os meios possíveis, na Turquia e na Alemanha.

Segundo o jornal turco Hürriyet, o primeiro-ministro Recep Tayyip Erdogan ligou para o ministro do Meio Ambiente, perguntando: "Que confusão toda é essa, Osman?". Ele recebera uma carta da líder do Partido Verde alemão, Claudia Roth, apontando os riscos ecológicos do planejado depósito de lixo.

"Acho que a única chance para a aldeia é a pressão do exterior", diz Akin, acentuando a necessidade de a Turquia compreender toda a extensão das implicações. "Não há lugar para ela na União Européia, se não for capaz de resolver seus próprios problemas ambientais."

Tempos perturbadores

Isso significa que Akin – ganhador do Urso de Ouro do Festival de Cinema de Berlim de 2004 com Contra a parede ( Gegen die Wand) – de repente descobriu a política?

"Os tempos estão irritantes demais, perturbadores demais para que eu possa ignorá-los em minha arte. Não estou interessado em mais nada, no momento", respondeu.

Ele também acredita na possibilidade de combinar educação política e diversão, embora esteja ciente dos riscos e saiba que um filme não deva jamais parecer didático. "Antes de tudo, quero entreter. Esse é meu trabalho, sou um contador de histórias."

Diferente de Michael Moore

Crossing the Bridge - Ceza und Gang

Akin também realizou 'Crossing the bridge' em Istambul

Por isso, é improvável que ele siga os passos de Michael Moore, Palma de Ouro de Cannes em 2004, com Fahrenheit 9/11. "São as minhas perguntas e minha voz que você ouve [no filme] e às vezes também estou no quadro."

Mas aqui terminam os paralelos. Akin não tem qualquer intenção de ir tão longe quanto o colega norte-americano em sua mensagem política, e afirma preferir trabalhar com os meios do documentário clássico. "Tentarei encontrar imagens que uma criança de 12 anos entenda."

Os heróis desse filme são os moradores, colhedores de chá, um professor de escola primária, o fotógrafo da aldeia. "Aprendi com a dignidade modesta dessas pessoas. Elas temem que o monte de lixo vá envenenar sua água, atrair pragas e causar moléstias", explica.

O cineasta tem respeito especial pelo prefeito de Camburnu, Huseyin Alioglu. Depois que os apelos da comunidade à justiça falharam, Alioglu foi acusado de "agir de modo antiturco, contra os interesses nacionais. Ele é, sem dúvida, o herói trágico do filme", define Akin. (av)

Leia mais