Diretor da DW quer intensificar relações entre América Latina e Alemanha | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 11.09.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Diretor da DW quer intensificar relações entre América Latina e Alemanha

Diretor-geral da Deutsche Welle, Erik Bettermann, defende uma maior aproximação entre Alemanha e América Latina e diz que é a hora de despertar a atenção dos europeus para o continente latino-americano.

default

Deutsche Welle: Sr. Bettermann, o senhor retornou de uma viagem por México, Colômbia, Argentina, Uruguai e Brasil. Que impressões trouxe da América Latina?

Erik Bettermann: Para mim, o que voltou a ficar claro foi a estreita ligação histórico-cultural e a correspondência de valores entre esse continente e o nosso. Às vezes isso é esquecido. Eu gostaria de contribuir para aumentar, na Europa e na Alemanha, a consciência sobre esses pontos em comum. Esse é o primeiro aspecto.

Em relação à própria Deutsche Welle: em nenhuma outra região tive experiências comparáveis. A Deutsche Welle tem uma reputação enorme na América Latina.

Isso tem a ver não só com o nosso conteúdo jornalístico, mas também com a Alemanha e o nosso longo passado em comum. Para mim, isso significa que temos que nos empenhar mais para aprofundar essa mútua compreensão e conhecimento dessas duas culturas.

Como essas experiências feitas na América Latina serão futuramente incorporadas ao trabalho da Deutsche Welle para essa região?

Temos que pensar como podemos intensificar nossa presença. Eu gostaria de ampliar nossa programação de televisão, atualmente de duas horas em espanhol; se possível com um canal alemão e um canal espanhol. Ou um canal bilíngue, com espanhol e alemão.

Durante a minha viagem, muitos me abordaram pedindo o retorno de um oferta radiofônica em espanhol, a ser retransmitida por pequenas e médias emissoras de FM. Também ouvi várias vezes o pedido de que fortaleçamos a oferta de treinamento da DW-Akademie.

Mas nada disso acontecerá de uma hora para a outra. Temos que verificar até que ponto isso é factível no contexto do plano de metas que apresentaremos no início de 2010 ao Bundestag [câmara baixa do Parlamento alemão]. Evidentemente também é uma questão financeira. Mas estou pessoalmente decidido a fortalecer nossa atuação nesse sentido.

A Deutsche Welle já está desenvolvendo vários projetos nos países latino-americanos. O senhor acredita ser possível ampliar as atividades da Deutsche Welle nesses países?

04.2009 DW-AKADEMIE Regionen Lateinamerika Kolumbien Lokalfernsehen 4

Treinamento de jornalistas pela DW-Akademie na Colômbia

Às vezes tenho a impressão de que, na Alemanha, o continente latino-americano é um continente esquecido na política, nos debates na nossa sociedade e na mídia. Por isso, em primeiro lugar temos que criar novamente a consciência do quão importante a América Latina é.

Nesse aspecto essa viagem foi de grande proveito. Fico muito grato a todos que me receberam e acompanharam por lá. Foi um período intenso, cheio de compromissos, fatigante, mas aprendi muito.

A televisão desempenha um papel central na visão dos latino-americanos sobre a Alemanha e a Europa. Existe a possibilidade de ampliar a programação ou o tempo de emissão?

Assegurei a muitos que irei lutar por isso. Agora tenho de manter a palavra. Dependerá muito do quanto poderemos ampliar nossa base – ou seja, a cooperação com as emissoras de direito público da Alemanha.

E isso é acompanhado de um debate que não parte da América Latina, na verdade: o debate de como a Deutsche Welle, na condição de cartão de visita midiático da Alemanha, deve se posicionar no mundo. No momento, estou travando esse debate com o governo federal e com os estados; depois das eleições parlamentares federais, ele ainda deverá se intensificar.

À parte de quem venha a colaborar futuramente com essa oferta de representação midiática externa do nosso país, a Deutsche Welle possui o know-how e a reputação. Estou otimista, portanto.

Não posso partir do pressuposto de que vamos alcançar todas as nossas metas em 2010, mas já disse a todos: "durante a minha gestão". E ela vai até 2013; até lá vou conseguir.

O que caracteriza o trabalho da Deutsche Welle na América Latina? No que ela se distingue de outras grandes emissoras internacionais?

É um característica diferencial da oferta alemã para o exterior ter uma presença trimedial. A isso se acrescentam as atividades da DW-Akademie. Queremos fazer parte da ponte cultural entre a Alemanha e os outros países. Notícias, análises e matérias retrospectivas – completadas com as ofertas da nossa academia. Essa oferta ampla e dialógica é o que caracteriza a Deutsche Welle.

Na América Latina, muitos têm a impressão de terem sido deixados de lado pela Europa nos últimos anos. O senhor vê a possibilidade de um renascimento das antigas boas relações entre essas duas regiões?

Quero lutar por isso. E mesmo que eu esteja motivado pelas minhas impressões pessoais após 12 dias na América Latina, obviamente sei que, no cotidiano político, isso não pode ser realizado de um dia para o outro. Muitos precisam fazer a mesma experiência.

Encontrei o ministro alemão da Economia no Brasil e ambos concordamos que as viagens diplomáticas entre os países da América Latina, de um lado, e a Europa e a Alemanha, do outro, precisam ser ampliadas. Se conseguirmos desenvolver isso, passarei a considerar factível o que está me deixando eufórico agora.

Autor: Gonzalo Caceres
Revisão: Simone Lopes

Leia mais