1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Direita austríaca instrumentaliza medos xenófobos nas eleições

Oportunismo político ou ingenuidade, a saída da ministra austríaca da Justiça do partido Aliança para o Futuro da Áustria desencadeia discussão sobre o potencial eleitoral da xenofobia no país e na União Européia.

default

Cartaz exibe candidato do BZÖ, partido do populista de direita Jörg Haider

In besseren Tagen

Karin Gastinger ao lado de Jörg Haider

A poucos dias das eleições do Conselho Nacional (parlamento) da Áustria, a ministra da Justiça Karin Gastinger anunciou sua saída do partido Aliança para o Futuro da Áustria (BZÖ), fundado pelo populista de direita Jörg Haider em abril de 2005. O agrupamento forma a coalizão de governo ao lado do Partido Popular (ÖVP), do chanceler federal Wolfgang Schüssel.

O fato em si agradou a muita gente, porém o momento escolhido por Gastinger surpreendeu. Sua justificativa para a decisão foram as manifestações de xenofobia por parte do novo líder da BZÖ, Peter Westenthaler. Os cartazes de sua campanha eleitoral exortam: "A coragem vence: Quota de estrangeiros menos 30%".

Levado ao pé da letra, o slogan implicaria a expulsão de mais de 300 mil pessoas da Áustria. "Não quero participar de nenhum movimento político que seja xenófobo, que instrumentalize o medo", declarou a ministra ao jornal Kurier , de Viena.

Esquecendo deportações passadas

Mas o momento escolhido para tal decisão é tão mais desconcertante pelo fato de os cartazes já estarem nas ruas desde o final de maio. Segundo o cientista político especializado em partidos Anton Pelinka: "Com toda a cautela, o comportamento de Gastinger leva a inferir uma certa ingenuidade política de sua parte. É surpreendente ela dar uma justificativa que poderia ter-lhe ocorrido muito mais cedo. Não é um bom atestado de profissionalismo político".

A chefe do Partido Verde, Eva Glawischnig, está indignada com o slogan da BZÖ. Ela tenta imaginar o que significaria "deportar 30% da população estrangeira, ou seja, o colapso de todo o setor de assistência médica, de turismo, de construções, em que tantas pessoas sem cidadania austríaca trabalham".

Para Glawischnig, a sugestão demonstra profundo desprezo humano. Além disso, a Áustria carrega uma responsabilidade histórica. "Já vimos uma vez nossos vizinhos serem derrotados. Queremos ter presente a necessidade de lidar muito cautelosamente com tais coisas. Infelizmente este não é o caso, no momento."

Wahlen in Österreich - Großbild

Austríacos na selva da campanha eleitoral

Sob a sombra de Jörg Haider

O anúncio de Gastinger, assim tão próximo das eleições, representa um duro golpe para a BZÖ. A chefe de pasta defende posições cada vez mais liberais, dentro do agrupamento e da coalizão de governo.

Segundo pesquisas de opinião, ela é a mais popular entre os seis ministros da BZÖ que compõem o governo conservador de direita. O partido poderá perder o lugar no parlamento: sua preferência entre os eleitores está na faixa de 3%, portanto abaixo do mínimo exigido de 4%.

A BZÖ não é a única a apelar para palavras de ordem de caráter xenófobo. O Partido da Liberdade (FPÖ), igualmente fundado por Haider, faz uso ainda mais maciço delas. Mesmo sem sua antiga figura de proa, o agrupamento tem bastante sucesso: segundo enquetes, tem o apoio de 9% a 10% dos eleitores.

Seu candidato é Hans-Christian Strache, considerado "o novo Haider" por seus adeptos. "Strache copia Haider em diversos aspectos, inclusive no estilo de discursar. É extremamente lamentável para a Áustria o fato de ainda funcionar essa receita: fazer política com o puro medo", analisa Eva Glawischnig.

Arma das vítimas da modernização

"A xenofobia explora um medo ou potencial de medo pré-existente", concorda o politólogo Pelinka. "O medo das chamadas vítimas da modernização, gente com uma má formação, que não fala nenhum idioma estrangeiro e que teme – não sem razão – que pessoas dos novos países da União Européia ou imigrantes lhes façam concorrência através de um dumping salarial."

A verde Eva Glawischnig responsabiliza a política de cortes do governo pela falta de integração dos estrangeiros. "Cerca de 5300 professores e professoras foram cortados, sobretudo nos setores de incentivo, integração e ensino de alemão."

A Áustria não é caso único no tocante à xenofobia. Na Suíça, um plebiscito acaba de decidir o endurecimento das leis de asilo e de estrangeiros. "Contudo, essa decisão mostra com que urgência é necessária uma política de esclarecimento, não apenas na Áustria como em outros países europeus", aconselha Glawischnig.

Leia mais