Diplomata europeu é impedido de se encontrar com esposa do Nobel da Paz | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 11.10.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Diplomata europeu é impedido de se encontrar com esposa do Nobel da Paz

Autoridades chinesas impedem visita de diplomata da UE à esposa do dissidente Liu Xiaobo, vencedor do Prêmio Nobel da Paz. Ela continua só podendo deixar sua casa em Pequim sob escolta policial.

default

Liu Xia, em Pequim

Incumbido pelo presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso, o diplomata Simon Sharpe, da delegação europeia na China, tentou em vão fazer uma visita, em Pequim, a Liu Xia, esposa de Liu Xiaobo, ganhador do Prêmio Nobel da Paz.

"Eles nos impediram de entrar no complexo residencial onde ela vive. E não nos explicaram nada", disse Sharpe, que, em suas próprias palavras, já teria se encontrado várias vezes com ela na cidade. O diplomata tinha como missão cumprimentar e felicitar Liu Xia pelo prêmio internacional concedido a seu marido em Oslo.

Celular destruído

A Human Rights, organização norte-americana de defesa dos direitos humanos, disse ter a informação de que Liu Xia só pode, no momento, deixar sua casa em companhia de uma viatura policial. Seu celular e o de seu irmão foram destruídos, afirmaram representantes da organização.

A também norte-americana Freedom Now comunicou em seu site, no fim de semana, que as autoridades chinesas não acusam Liu Xia de ter cometido qualquer delito, mas mesmo assim a impedem de sair de casa.

Norwegen China Friedensnobelkreis 2010 an Liu Xiaobo Flash-Galerie

Liu Xiaobo, em abril de 2008

A própria Liu Xia confirmou através da rede Twitter estar sob prisão domiciliar: "Amigos, estou de volta à casa. No dia 8 de outubro fui confinada a prisão domiciliar", notificou a própria nesta segunda-feira (11/10) a partir de seu endereço no Twitter. "Não sei quando poderei ver alguém", disse ela, contando também ter podido visitar seu marido no último domingo. "Vi Xiaobo. A notícia do prêmio chegou a ele na noite do dia 9 de outubro" disse Liu Xia.

Dezenas de detenções

Liu Xiaobo, condenado a cumprir uma pena de 11 anos de prisão por "subversão ao poder público", dedicou o Nobel da Paz que recebeu aos "mártires da Praça da Paz Celestial", ao lado dos quais o escritor, ainda jovem, participou de protestos em 1989.

Após a notícia da premiação de Liu Xiaobo, a polícia da China iniciou uma política linha-dura contra os amigos do escritor e quaisquer pessoas que o apoiam. Houve dezenas de detenções no país, muitas prisões domiciliares e o registro de diversos desaparecidos.

Pelo menos 20 ativistas foram detidos durante uma festa na noite da última sexta-feira. No decorrer do fim de semana, houve mais uma série de detenções. Os telefones celulares de diversos dissidentes foram desligados ou temporariamente suspensos. Embora a premiação do escritor tenha despertado elogios em todo o mundo, a mídia chinesa destacou apenas as reações iradas do governo do país contra a escolha do escritor para o Prêmio.

"Vida alheia"

China / Liu Xia / Hausarrest / Peking

Jornalistas tentam se aproximar do prédio onde mora Liu Xia em Pequim

Liu Xia conheceu o marido nos círculos literários de Pequim no início dos anos 1980. Segundo ela, a repressão policial faz há muito parte da vida do casal, marcada pelo medo e pela desesperança.

"Quando Xiabo ainda estava em casa, eu vivia uma vida estranha, não a minha própria. Eu lia muito, todo tipo de livro, mas tinha apenas quatro ou cinco amigos de verdade, meus amigos antigos, na minha vida real. Vivi sem celular e sem computador. Eu tinha a impressão de que nada do lado de fora tinha alguma coisa a ver comigo. Eu vivia uma vida alheia", resumiu Liu Xia.

Embora tenha sempre preferido evitar o espaço público, Liu Xia foi por muito tempo o ponto de ligação de seu marido com o mundo exterior. Ela possui permissão para visitá-lo uma vez por mês na prisão localizada a 500 quilômetros ao noroeste de Pequim.

SV/dw/dpa/apd/afp
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais