1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Diplomacia parece avançar no Oriente Médio

Conflito prossegue, mas esforços diplomáticos parecem alcançar primeiros sucessos. Israel admite envio de tropas internacionais e países árabes retomam curso diplomático. Ministros da UE, entre outros, reúnem-se em Roma.

default

Ministro alemão do Exterior, Steinmeier (e), e seu colega de pasta egípcio, Aboul Gheit

O conflito armado no Oriente Médio continua sem mostrar sinais de arrefecimento, na fronteira entre o Líbano e Israel. Enquanto tropas israelenses avançam sobre território libanês, milícias do grupo extremista islâmico Hisbolá atiram mísseis a alvos urbanos no norte de Israel.

Condoleezza Rice greift im Nahen Osten ein

Condoleezza Rice (esq.) e o primeiro-ministro libanês, Fuad Siniora

Após o primeiro-ministro italiano, Romano Prodi, e o ministro francês das Relações Exteriores, Philippe Douste-Blazy, que já se encontravam na região, no final de semana foi a vez do chefe da diplomacia alemã, Frank Walter Steinmeier, pôr-se a caminho. Na segunda-feira (24/07), a presença internacional na região foi reforçada pela chegada da secretária de Estado dos Estados Unidos, Condoleezza Rice.

Alemanha faz investida diplomática

O governo alemão adere aos esforços internacionais pela paz no Oriente Médio com uma grande investida diplomática. Para sondar a situação, o ministro Steinmeier enviou, paralelamente à sua viagem à região, equipes de reconhecimento formadas por especialistas de alto nível a Nova York, Beirute e Damasco.

Segundo seu porta-voz, Martin Jäger, Steinmeier se reunirá com essas equipes para uma conversa estratégica em Malta, visando identificar "possíveis elementos para uma solução diplomática" do conflito.

Na próxima quarta-feira o ministro participará em Roma da conferência das Nações Unidas sobre o Líbano, na qual se fará uma avaliação geral da situação política e humanitária no sul do país, bem como o esboço de uma solução política para o conflito.

Frank-Walter Steinmeier in Jerusalem

Ehud Olmert (esq.), primeiro-ministro israelense, e Steinmeier em Jerusalém

Antes, porém, Steinmeier quer ter conversas bilaterais com Rice e seu homólogo italiano, Massimo D'Alema. Além deles, participarão da conferência os ministros do Exterior dos demais países da União Européia, da Rússia, Egito, Arábia Saudita e Jordânia.

Primeiros resultados positivos

Segundo o porta-voz do governo, Ulrich Wilhelm, todos os esforços da Alemanha – inclusive a viagem de Steinmeier à região do conflito e as conversas da chanceler federal Angela Merkel – têm como objetivo criar condições necessárias para um cessar-fogo imediato e perspectivas para uma estabilização permanente da situação. "Investimos em um cessar-fogo que seja mantido, não seja enganoso e tenha em vista o cerne do conflito", disse Wilhelm.

Para Jäger, a viagem de Steinmeier gerou "os primeiros indícios de uma abertura diplomática" – opinião compartilhada pelo governo francês –, permitindo "um otimismo cuidadoso".

Se Israel rejeitara até então a proposta de instalação de tropas internacionais no sul do Líbano, no domingo último o chefe de governo israelense, Ehud Olmert, admitiu que a medida poderia contribuir para o fim do conflito. A condição seria que as tropas fossem constituídas por países da União Européia e recebessem da ONU um mandato robusto.

Países árabes apelam à diplomacia

Nos países árabes, principalmente no Egito, cresce a pressão da população para que se tomem duras medidas contra Israel. No Cairo, seis mil pessoas foram às ruas protestar, e a situação se repetiu em Alexandria e El Arich, no norte da península do Sinai.

Até então, os governos de países árabes evitaram críticas severas a Israel, preferindo salientar a culpa do Hisbolá no conflito. Tal postura faz sentido, uma vez que muitos deles têm de lutar contra forças radicais islâmicas e uma derrota do Hisbolá poderia enfraquecer também seus próprios inimigos em casa.

Recentemente, Egito e Arábia Saudita intensificaram seus esforços diplomáticos para reduzir drasticamente a crise e ao mesmo aumentar sua soberania em relação ao Ocidente. Durante a visita de Steinmeier ao Cairo, seu colega egípcio de pasta Abul-Rheit reivindicou o cessar-fogo imediato, bem como uma troca de prisioneiros entre Israel e o Hisbolá.

Beirut

Pôster do Hisbolá em uma cidade evacuada no Líbano

O Egito defende, além disso, o estacionamento do exército libanês no sul do país, assim como aceitaria a presença de tropas internacionais na região fronteiriça.

Também a Arábia Saudita defendeu perante os Estados Unidos um cessar-fogo imediato. O ministro saudita do Exterior, o príncipe Saud al Faisal, entregou uma carta do rei saudita ao presidente norte-americano George W. Bush, na qual solicitava aos EUA que tomasse medidas nesse sentido. Egito e Síria reivindicaram também que a Síria suspendesse o apoio ao Hisbolá.Os sinais parecem ter sido recebidos: os EUA parecem mudar seu curso, caminhando em direção ao cessar-fogo. E a Síria anunciou que estaria disposta a renovar suas relações com Washington.

Leia mais