1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Diminui tolerância com migrantes

O aumento da discriminação e da violência contra os migrantes é uma das conseqüências do 11 de setembro de 2001. Conferência em Viena apresentou reivindicações aos políticos.

default

Muçulmanos são freqüentemente vítimas de violência verbal ou física

As manchetes sobre os atos de violência motivados pelo racismo e a xenofobia saíram da moda. No entanto, a situação dos migrantes nos países da União Européia agravou-se nos últimos tempos, a tolerância para com eles diminuiu, sua aceitação e integração deixam a desejar. Esta é uma das conseqüências dos atentados de 11 de setembro de 2001 em Nova York e Washington, constata Beate Winkler, diretora do Observatório Europeu do Racismo e da Xenofobia (EUMC), em Viena.

Todo o debate público após aquela data, que Winkler considera um "marco", acentua os aspectos ameaçadores. Ninguém se lembra mais de falar dos aspectos positivos relacionados com a migração, das chances contidas na diversificação cultural, étnica e religiosa de uma sociedade.

Quadro contraditório

Criado há três anos, o EUMC coleta informações fornecidas por uma rede espalhada por toda a UE, tendo estendido suas observações também aos futuros membros da comunidade. O quadro que resulta não é uniforme. Não é possível estabelecer um ranking de países mais ou menos tolerantes, acentua Winkler.

Pelo contrário, a sociedade polarizou-se, após os atentados terroristas, em especial perante os muçulmanos e os judeus. Por um lado, eles se tornaram alvos de ataques verbais ou físicos. Por outro, aumenta o número de iniciativas da sociedade civil que trabalham em prol de um maior entendimento entre cristãos e islâmicos, bem como de órgãos da mídia empenhados numa cobertura objetiva e informativa dos acontecimentos.

A Alemanha constitui uma exceção positiva à tendência generalizada de aumento da violência contra os estrangeiros: o número de delitos racistas e anti-semitas no país diminuiu.

Políticos nem sempre o melhor exemplo

A linha não é uniforme nem mesmo entre os políticos europeus, lembra a diretora do EUMC. Ao lado dos que se empenham por uma linha moderada e de compreensão em relação aos representantes de outras culturas, há o exemplo do primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi, com sua polêmica declaração sobre a "supremacia da cultura ocidental sobre a islâmica".

O problema maior é que as declarações de políticos têm influência sobre a formação da opinião pública. Winkler lamenta principalmente que os políticos estejam desperdiçando a chance de um debate positivo, diante dos problemas dos sistemas de seguridade social na Europa decorrentes do desenvolvimento demográfico. "Muitos estudos comprovam que os migrantes não tiram o emprego da população, mas sim que contribuem para a criação de novos postos de trabalho", lembra.

Em conferência realizada em Viena e de cuja organização o EUMC participou, a Organização para Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) promoveu não apenas um debate sobre a situação com os 300 participantes de 55 países. Um dos objetos principais do evento foi apresentar reivindicações aos políticos, principalmente a de implementação de diretrizes antidiscriminação em todos os países da UE.

Leia mais

  • Data 08.09.2003
  • Autoria lk
  • Imprimir Imprimir a página
  • Link permanente http://p.dw.com/p/43D8
  • Data 08.09.2003
  • Autoria lk
  • Imprimir Imprimir a página
  • Link permanente http://p.dw.com/p/43D8