1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Dilma prepara discurso para abrir Assembleia Geral da ONU

Presidente brasileira deve abordar temas como desenvolvimento sustentável e diplomacia para a resolução de conflitos internacionais – um dos assuntos centrais do encontro em Nova York. Líder se reunirá com Ban Ki-moon.

A presidente Dilma Rousseff abrirá nesta terça-feira (25/09) a 67ª Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York. Em seu discurso, cujos detalhes serão finalizados nesta segunda-feira, a chefe de governo brasileira deverá defender a relevância dos esforços em favor do desenvolvimento sustentável, o empenho para o reequilíbrio econômico internacional e a aposta na via diplomática para resolver conflitos internacionais.

A prevenção e a resolução pacífica de conflitos internacionais será um dos temas centrais desta assembleia. Sobre a questão síria, Dilma deverá defender o respeito aos direitos humanos, a não intervenção militar e as negociações para alcançar uma solução pacífica, levadas adiante pelo Conselho de Segurança da ONU.

Além da violência na Síria, que divide a ONU há meses, os protestos e mortes por conta da difusão do filme anti-islâmico norte-americano Innocence of Muslims deverão marcar esta sessão em Nova York.

Também o conflito entre israelenses e palestinos será novamente um dos temas centrais debatidos pelos representantes dos 193 países-membros da ONU. É provável que Dilma defenda as negociações para a busca de um acordo de paz também neste caso, segundo a Agência Brasil. A presidente também deverá, mais uma vez, apoiar o direito de a Palestina ser um Estado autônomo.

De acordo com comunicado do Ministério das Relações Exteriores brasileiro, na Assembleia será discutida ainda a implementação dos compromissos assumidos durante a Conferência da ONU para o Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, realizada em junho deste ano. Os avanços da conferência deverão ser destacados no discurso de Dilma.

Durante sua estadia em Nova York, até quarta-feira, a líder brasileira se reunirá com o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, e com o presidente da 67ª Assembleia, Vuk Jeremic. Segundo assessores da presidência, não há audiências previstas com o presidente norte-americano, Barack Obama, ou com a chanceler federal alemã, Angela Merkel.

Relações internacionais

Rio+20 Gipfel

Reunião tamb[em tratará de compromissos assumidos na Rio+20

No âmbito regional, Dilma deverá ressaltar em sua fala o respeito à democracia como condição para a integração na América Latina. Trata-se de uma referência "à necessidade de preservar a ordem democrática, algo que os líderes latino-americanos suspeitam que não ocorreu no Paraguai durante a destituição do então presidente Fernando Lugo, em 22 de junho", informou a Agência Brasil.

Ainda segundo a agência de notícias, é possível que a presidente cite a reforma do Conselho de Segurança da ONU. O ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, que acompanha Dilma, tem uma agenda paralela cujo principal tema é a ampliação do órgão.

Atualmente, o Conselho de Segurança é composto por cinco membros permanentes com poder de veto – China, França, Rússia, Reino Unido e EUA – e dez membros rotativos. O Brasil defende a ampliação para pelo menos 25 lugares no total. O assunto deverá ser debatido durante reuniões de Patriota com ministros do G4 (Alemanha, Brasil, Índia e Japão) e do Brics (Brasil, China, Índia, Rússia e África do Sul).

Esta é a segunda vez consecutiva que Dilma abre a Assembleia em Nova York. Por ser a primeira mulher presidente do Brasil, a líder também se tornou a primeira mulher a proferir o discurso de abertura do evento. Desde que Oswaldo Aranha inaugurou a primeira sessão especial da Assembleia Geral da ONU, em 1947, manteve-se a tradição de o primeiro orador do fórum ser um brasileiro.

LPF/dpa/abr
Revisão: Francis França

Leia mais