1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Dilma enfrenta primeira greve geral

"Dia Nacional de Lutas" foi convocado por oito centrais sindicais, entre elas a CUT e a Força Sindical. Além de paralisações, estão previstas marchas e manifestações.

default

Dilma Rousseff

Oito centrais sindicais convocaram para esta quinta-feira (11/07) a primeira greve geral desde o início dos governos do PT, em 2003, comandado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2010) e agora pela presidente Dilma Rousseff.

Batizada pelos sindicatos de "Dia Nacional de Lutas", a greve geral busca pressionar todas as esferas do governo – federal, estadual e municipal – para que atendam às reivindicações dos trabalhadores, reunidas numa pauta única. Além da paralisação, estão previstas marchas e manifestações em várias cidades.

Entre as reivindicações estão a redução do preço e a melhoria na qualidade dos transportes públicos, mais investimentos na saúde e na educação pública, o aumento do valor das aposentadorias, a diminuição da carga semanal de trabalho e a reforma agrária.

Temas políticos ficaram de fora da pauta comum, mas a Central Única dos Trabalhadores (CUT) acrescentou que também defenderá que a reforma política passe por um plebiscito popular, como deseja a Presidência da República.

Além da CUT, participam da greve geral a Força Sindical, a Central de Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), a Central Sindical e Popular (CSP-Conlutas), a União Geral dos Trabalhadores (UGT), a Central dos Sindicatos Brasileiros, a Central Geral dos Trabalhadores do Brasil e a Nova Central Sindical dos Trabalhadores.

"O governo atende a bancos e empresários e não atende aos trabalhadores. O governo tem dinheiro para investir na saúde e na educação, mas não investe. Depois das mobilizações de rua que pararam o país em junho, entrarão as organizações de trabalhadores organizadas", disse um dos coordenadores do CSP-Conlutas, Zé Maria de Almeida, na quarta-feira. "Amanhã [quinta-feira] vai ser o primeiro passo, mas a luta vai continuar e vai se fortalecer", completou.

Entre as categorias que divulgaram a intenção de participar da greve estão os funcionários públicos federais, os trabalhadores do metrô de São Paulo, os metalúrgicos do estado de Minas Gerais e da cidade de São José dos Campos, no interior de São Paulo, operários da construção civil do nordeste e do norte do país e trabalhadores do comércio do Rio Grande do Sul.

Professores universitários e da educação básica de diversos estados também afirmaram que vão participar, assim como trabalhadores dos Correios, do setor do petróleo e do setor de transportes da região nordeste do país.

AS/lusa/dpa/abr

Leia mais