1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Dilma diz que escândalo da Petrobras vai "mudar Brasil para sempre"

Na Austrália, presidente afirma que investigações devem transformar relações entre sociedade, Estado e empresas privadas, e que estatal não deve ser condenada internacionalmente por uma "minoria" de corruptos.

Em sua primeira entrevista sobre a nova etapa da Operação Lava Jato, que investiga as acusações de corrupção na Petrobras, a presidente brasileira, Dilma Rousseff, afirmou neste domingo (16/11) que tais investigações vão "mudar o Brasil para sempre", transformando as relações entre sociedade, Estado e empresas privadas.

"Esse não é, de fato, tenho certeza disso, o primeiro escândalo de corrupção do país. Agora, ele é, sim, o primeiro escândalo na nossa história realmente investigado, o que é muito diferente", defendeu a presidente em pouco antes do encerramento da cúpula do G20, em Brisbane, na Austrália.

Ela ainda destacou o fato de que, "pela primeira vez em sua história", o Brasil trata de forma "absolutamente aberta" um caso dessa dimensão.

Questionada se o caso não pode prejudicar a Petrobras internacionalmente, já que a empresa atua em diversas bolsas de valores, Dilma afirmou que esta não é a primeira vez que uma empresa petrolífera se envolve em denúncias de corrupção no mundo. Portanto, prosseguiu, a companhia não deve ser condenada pelo fato de ter uma minoria de funcionários corruptos.

"Quero lembrar que um dos grandes escândalos de corrupção investigados no mundo foi o da Enron, que é uma empresa privada [americana]. A maioria absoluta dos membros da Petrobras, dos funcionários, não é corrupta", disse Dilma.

Na sexta-feira passada, a Polícia Federal cumpriu 85 mandados judiciais – sendo 21 de prisão temporária, nove de condução coercitiva e 49 de busca e apreensão – na sétima fase da Operação Lava Jato, deflagrada no dia 17 de março. As ordens foram cumpridas no Paraná, em São Paulo, no Rio de Janeiro, Minas Gerais, Pernambuco e Distrito Federal. Cerca de 720 milhões de reais em bens dos suspeitos foram bloqueados.

As investigações apontam que operadores do PT e do PMDB, os dois principais partidos do governo, teriam recebido pelo menos 200 milhões de reais em propinas para viabilizar contratos com empreiteiras. O grupo investigado pela polícia está envolvido em diversos crimes como lavagem de dinheiro, corrupção, sonegação fiscal, evasão de divisas e desvio de recursos públicos.

Protestos no Brasil

Dilma Rousseff disse ainda ver com naturalidade as manifestações pedindo seu impeachment, afirmando que elas mostram que o Brasil vive uma "situação democrática consolidada" e, por isso, "faz parte da nossa história tolerar as manifestações, mesmo as mais extremadas".

Antes de viajar de volta para Brasília, neste domingo, a presidente brasileira ainda participou de um almoço com líderes do G20.

Na Austrália, Dilma teve encontros com a chanceler federal alemã, Angela Merkel, com o presidente americano, Barack Obama, e com o presidente da China, Xi Jinping.

Ela também se reuniu com líderes dos Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), que manifestaram vontade de acelerar a implementação de um Banco de Desenvolvimento comum, para ampliar a sua atuação econômica e financeira.

MSB/lusa/abr/

Leia mais