Dilma acusa Temer de receber doações irregulares para campanha eleitoral | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 11.11.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Dilma acusa Temer de receber doações irregulares para campanha eleitoral

Defesa da ex-presidente apresenta cheque nominal que comprovaria repasse de 1 milhão de reais a Michel Temer. Dinheiro seria propina paga por empreiteira. Processo no TSE pode resultar na cassação do presidente.

A defesa de Dilma Rousseff apresentou nesta quinta-feira (10/11) ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) documentos que comprovariam que o presidente Michel Temer recebeu doações irregulares para a campanha eleitoral de 2014.

Entre os documentos, está a cópia de um cheque nominal no valor de 1 milhão de reais repassado a Temer em julho de 2014. O valor foi depositado diretamente no fundo de campanha do presidente. O montante seria propina paga pela construtora Andrade Gutierrez, envolvida no escândalo da Operação Lava Jato.

Diante das evidências, o relator do processo, que pode resultar na cassação da chapa Dilma-Temer, o ministro Herman Benjamin, convocou o ex-presidente da empreiteira, Otávio Marques de Azevedo, para prestar novo depoimento e esclarecer as denúncias. Em setembro, Azevedo havia dito ao tribunal que repassou 1 milhão de reais para o PT, no entanto, os documentos mostraram discrepâncias entre informações.

Além do cheque, a defesa de Dilma apresentou documentos de prestação de contas e comprovante de depósitos da conta do PMDB.

No depoimento, Azevedo alegou que repassou 1 milhão de reais ao PT em março de 2014, como parte de um pagamento de propina referente a contratos da empreiteira com o governo federal. O montante teria sido transferido para a campanha de Dilma em julho do mesmo ano. A defesa da ex-presidente afirma que o repasse, porém, foi feito ao PMDB e foi parar na conta da campanha de Temer, como mostrariam os documentos.

Temer negou irregularidades com a doação. "Trata-se de um cheque nominal do PMDB repassado para a campanha do então vice-presidente Michel Temer, datado de 10 junho de 2014. Basta ler o cheque. Não houve qualquer irregularidade na campanha do então vice-presidente Michel Temer", disse o porta-voz da Presidência, Alexandre Parola.

As ações sobre as contas da campanha de Dilma e Temer foram levadas ao TSE pelo PSDB. O partido acusa a chapa adversária de irregularidades ao receber doações de empreiteiras investigadas na Operação Lava Jato. A investigação pode resultar na cassação do mandato e na inelegibilidade do presidente.

CN/efe/abr/ots 

Leia mais