1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Dia da América Central em Bonn

Presidentes, vices e ministros de vários países centro-americanos participaram de uma conferência em Bonn, na qual traçaram as perspectivas econômicas de seus países, em busca de investimentos estrangeiros.

default

Presidente da Nicarágua, Enrique Bolaños

"A América Latina entre o euro e o dólar" foi o título da conferência organizada pela Associação Ibero-Americana, nesta sexta-feira (18) em Bonn. Realizado na antiga sede do Parlamento alemão, o evento em que a América Central teve a oportunidade de apresentar-se como região apta a atrair investimentos alemães contou com cerca de mil inscrições. Jürgen Harnisch, presidente da associação e da ThyssenKrupp Automotive, descreveu os progressos dos últimos anos em matéria de democratização, consolidação política e liberalização dos mercados.

Localização: a vantagem da América Central

A integração regional, no marco do mercado comum centro-americano, avançou, representando novos impulsos para o desenvolvimento econômico. O Sistema de Integração Centro-Americana (SICA) foi criado em 1991, com o objetivo de transformar a região, assolada até há pouco tempo por guerras-civis e catástrofes naturais, numa região de paz, liberdade, democracia e desenvolvimento sustentável.

A América Central tem vários acordos de livre comércio com o México e até um plano comum para desenvolver grandes projetos de infra-estrutura além das fronteiras nacionais, o chamado Plano Puebla-Panamá. Sua proximidade à área do NAFTA, a zona de livre comércio da América do Norte, torna-a atraente para investidores em potencial. Também se discute a criação de uma zona de livre comércio com os Estados Unidos.

Investimentos diretos apesar da crise

Harnisch ressaltou que, apesar dos atuais problemas, a América Latina continua sendo um importante parceiro comercial da Alemanha. A Alemanha está em terceiro lugar em investimentos, após os Estados Unidos e a Espanha. No setor industrial, as empresas alemãs ocupam o segundo lugar, após as norte-americanas. As filiais e subsidiárias de empresas alemãs na América Latina produzem um volume quatro vezes maior do que todas as exportações da Alemanha para a região.

Embora esteja indo menos capital para a América Latina este ano, pelo menos a queda de investimentos diretos não será tão grave. Nos primeiros sete meses do ano, inclusive, o montante chegou a ser superior ao do mesmo período em 2001. Se a taxa média de crescimento econômico deve ficar em torno de 1,5% este ano, espera-se até 2,5% em 2003, se se concretizar o reaquecimento da conjuntura mundial.

Prioridade para renegociação da dívida externa

O embaixador do Equador em Berlim, Werner Moeller-Freile, que também é o representante do grupo de embaixadores latino-americanos na Alemanha, expôs as metas do desenvolvimento na América Latina, dando ênfase à luta contra a pobreza. Por mais rica que a região seja em recursos naturais e potencial humano, é preciso investimentos, infra-estrutura, tecnologia e formação da população para enfrentar os desafios da globalização, gerar riqueza e bem-estar.

Muito aplaudido, o embaixador equatoriano considerou a dívida externa um agravante digno de preocupação, à medida em que a pobreza insuportável de milhões é conseqüência do pagamento do serviço da dívida. Isso leva a um "desfinanciamento", ou seja, uma sangria que é uma das causas das crises, fazendo com que a economia latino-americana se debilite cada vez mais. Ele exigiu a renegociação da dívida e que os países credores reconheçam a prioridade.

Nesse contexto, lembrou Adenauer e a reconstrução da Alemanha no pós-guerra, especialmente o acordo sobre a dívida alemã de reparação de guerra, firmado em Londres em 1953. Pagando-a com cerca de 4% de suas exportações, a Alemanha saldou seus compromissos antes do esperado e conseguiu reconstruir sua economia.

Presidentes em Bonn

Procedentes de Berlim, onde se reuniram com o colega alemão Johannes Rau e o chanceler federal Gerhard Scrhöder, os presidentes da Nicarágua, Henrique Bolanõs Geyer, de Honduras, Ricardo Maduro, da Guatemala, Alfonso Portillo, a vice-presidente de Costa Rica, Linneth Saborio Cheverri, o vice-presidente do Panamá, Dominador Kaiser Bazán, e a ministra do Exterior de El Salvador falaram a seguir sobre as perspectivas econômicas de seus países, ressaltando principalmente a integração centro-americana, mas também as leis aprovadas que regulam, protegem e incentivam os investimentos estrangeiros. A Comunidade Andina esteve representada por um de seus diretores, o peruano Tomás Uribe.

Os estadistas e ministros almoçaram com a prefeita Bärbel Dieckmann na bela sede da prefeitura, onde se inscreveram no livro de ouro de Bonn. À tarde foi realizado o encontro empresarial sob a forma de workshops para empresários latino-americanos e alemães sobre temas específicos: turismo, finanças, energia, água, telecomunicações, infra-estrutura, indústria automobilística, automatização, agricultura, indústria química e farmacêutica.