1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Diálogo sobre crise síria será retomado em duas semanas

Todos os participantes do encontro em Viena concordam em apoiar um governo de transição para a Síria nos próximos meses. Ministro do Exterior alemão celebra progressos, mas diz que desfecho segue distante.

default

Diplomatas discutem soluções para a crise síria em encontro realizada no Hotel Imperial, em Viena

As negociações para o fim da guerra civil na Síria continuarão em duas semanas, disse o ministro do Exterior da Alemanha, Frank-Walter Steinmeier, após o término dos debates nesta sexta-feira (30/10), em Viena. O próximo encontro provavelmente também será realizado na capital austríaca.

Segundo o diplomata alemão, a cúpula sobre a crise síria trouxe progressos. No entanto, ao mesmo tempo, Steinmeier admitiu que uma solução está longe de ser alcançada. "Não há ilusões sobre o fato de que a maior parte do trabalho ainda está diante de nós", disse.

Syrien-Konferenz in Wien Steinmeier

Steinmeier: "Não há ilusões sobre o fato de que a maior parte do trabalho ainda está diante de nós"

Todos os participantes do encontro em Viena concordaram em apoiar um governo de transição para a Síria nos próximos meses, afirmou Steinmeier. Algumas delegações vazaram a informação de que até um cessar-fogo de quatro a seis semanas esteve em pauta. Steinmeier, porém, citou apenas tréguas "nacionais ou regionais". Nesse caso, a intermediação deve ser realizada pelas Nações Unidas.

Dezessete países – Estados Unidos, China, Rússia, Reino Unido, França, Alemanha, Itália, Turquia, Líbano, Jordânia, Iraque, Egito, Catar, Emirados Árabes Unidos, Omã, além dos arqui-inimigos Arábia Saudita e Irã – acompanhados de delegações da União Europeia (UE) e da ONU se reuniram no lendário Hotel Imperial.

O primeiro grande encontro para debater a crise síria não teve representantes nem do regime do presidente Bashar al-Assad nem da oposição síria. No entanto, a simples realização do encontro, principalmente por colocar países rivais na mesa de negociações, é considerado um primeiro sucesso diplomático.

Nas palavras do ministro do Exterior da França, Laurent Fabius, o principal ponto de discórdia é o futuro do presidente sírio. "Está fora de questão que o senhor Assad participe do futuro da Síria", afirmou. Ele salientou, porém, que existem aspectos em que os intervenientes estrangeiros estão em sintonia, "nomeadamente sobre o processo de transição, a perspectiva de eleições e de que forma isso poderá ser organizado, e o papel das Nações Unidas".

O secretário de Estado dos EUA, John Kerry, também mencionou diferenças persistentes entre Washington, Moscou e Teerã. A maioria das delegações deixou o encontro sem prestar declarações.

A chefe da política externa da UE, Federica Mogherini, também classificou as conversações como construtivas. "Problemas importantes persistem, mas conseguimos chegar a pontos de consenso. Essa reunião não é fácil, mas é histórica", afirmou.

PV/lusa/rtr/dpa/ap

Leia mais