1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Dezenas de civis morrem em ataque a porto na Ucrânia

Separatistas anunciam grande ofensiva na cidade de Mariupol. Militares ucranianos afirmam que local foi bombardeado por rebeldes. Diversos civis morreram nos últimos dias na região de Donbas.

As lutas entre rebeldes separatistas e tropas fiéis ao governo em Kiev causaram dezenas de mortes de civis neste sábado (24/01). Cerca de 30 pessoas morreram e aproximadamente 100 ficaram feridas devido a bombardeios de lança-foguetes do tipo Grad na cidade de Mariupol, no leste da Ucrânia, anunciou o chefe de polícia local.

"Dez pessoas foram mortas na sequência de bombardeios feitos pelos rebeldes em Mariupol", escreveu no Facebook o chefe do departamento de polícia da região de Donetsk, Vyatcheslav Abroskine, cujo departamento é fiel a Kiev, pouco após o ataque.

Os separatistas, por sua vez, anunciaram uma grande ofensiva na cidade, mas não se manifestaram sobre o ataque à cidade. Segundo os rebeldes, o bombardeio teria sido executado pelo Exército ucraniano.

A Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), porém, concluiu que o ataque partiu de áreas a leste e nordeste da Ucrânia, controladas pelos separatistas.

Cidade portuária estratégica localizada no Mar de Azov, Mariupol encontra-se a 100 quilômetros ao sul da metrópole industrial Donetsk e a 50 quilômetros da fronteira russa.

Lutas continuam

Nos últimos dias, dezenas de civis foram mortos em confrontos na região de Donbas, como no ataque a uma parada de ônibus em Donetsk, na última quinta-feira.

A OSCE exige o fim das lutas em áreas residenciais, como também a retirada de artilharia pesada, o que já foi acertado entre representantes do governo em Kiev e dos separatistas pró-russos no Acordo de Minsk.

A organização afirmou ainda estar disposta a servir de intermediadora nas negociações. Segundo as Nações Unidas, desde abril de 2014, mais de 5 mil pessoas já morreram nos conflitos na Ucrânia.

CA/lusa/dpa/rtr

Leia mais