Deutsche Bank anuncia prejuízo bilionário e compra do Postbank | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 14.01.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Deutsche Bank anuncia prejuízo bilionário e compra do Postbank

Deutsche Bank anunciou que registrará prejuízo de 3,9 bilhões em 2008. Acerto com a Deutsche Post permitirá ao maior banco alemão assumir parte do controle do Postbank antes do previsto.

default

Estado alemão participa indiretamente da operação como principal acionista do Deutsche Post, dono do Postbank

As empresas alemãs Deutsche Bank e Deutsche Post anunciaram nesta quarta-feira (14/01) que selaram novas condições para a venda do Postbank, que pertence à Deutsche Post (a empresa alemã de correios).

O acordo permitirá ao Deutsche Bank, maior banco alemão em ativos, assumir o controle do Postbank antes do planejado e pagando em parte com suas próprias ações, a fim de preservar seu capital diante da crise financeira.

Segundo o novo acordo, a Deutsche Post passará a ter uma participação acionária de 8% no Deutsche Bank, injetando dinheiro na instituição bancária e fazendo com que ela disponha do capital necessário para selar a aquisição do Postbank. A Deutsche Post passa a ser a maior acionista do Deutsche Bank.

Em contrapartida, o Deutsche Bank assumirá, neste primeiro momento, 22,9% do Postbank. Para daqui a três anos, o acordo prevê a transferência de mais 27,4% ao Deutsche Bank, que detém também a opção de compra de outros 12,1%. O valor total da transação alcança 4,9 bilhões de euros.

Participação estatal indireta

DEU_Finanzmaerkte_Banken_Ackermann_FRA124_494507421102008.jpg

Josef Ackerman: mesmo 'decepcionado', rejeita ajuda estatal

Indiretamente, o Estado alemão participa da operação, uma vez que é o principal acionista da Deutsche Post, da qual detém 31% do capital por meio do banco estatal de fomento KfW.

No entanto, o presidente do Deutsche Bank, Josef Ackerman, anunciou que em nenhum momento houve negociações diretas com o governo alemão e assegurou que o banco continuará não precisando de injeções de capital ou mesmo garantias estatais.

"Nesse meio tempo, somos o único banco de investimentos em todo o mundo que não recorreu a fundos estatais nem onerou o contribuinte", disse Ackerman.

Já o presidente da Deutsche Post, Frank Appel, disse que a empresa não tem a intenção de continuar sendo, a longo prazo, a principal acionista do Deutsche Bank. O acordo prevê que a Deutsche Post mantenha sua participação acionária de 8% por no máximo um ano.

O acordo se dá num momento em que o Deutsche Bank surpreendeu o mercado ao anunciar que registrará um prejuízo líquido recorde de 4,8 bilhões de euros no último trimestre de 2008 e de 3,9 bilhões de euros para todo o ano passado.

Em 2007, o banco registrara lucro recorde de 6,5 bilhões de euros. O anúncio do prejuízo fez com que suas ações caíssem 9%.

Leia mais