Desenho desaparecido de Klimt é achado na Áustria | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 13.02.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Desenho desaparecido de Klimt é achado na Áustria

Desaparecida há mais de 50 anos, obra estava escondida em armário de antiga secretária de museu em Linz. Em testamento, ela disse que ganhou desenho de diretor da instituição.

“Duas Mulheres Deitadas” de Gustav Klimt

“Duas Mulheres Deitadas” ficou desaparecido por mais de 50 anos

Um desenho do pintor austríaco Gustav Klimtdesaparecido há mais de meio século foi encontrado por herdeiros de uma antiga secretária da Nova Galeria de Linz dentro de um armário, anunciou nesta terça-feira (13/02) a prefeitura da cidade austríaca.

A obra, que sumiu enquanto estava emprestada ao museu, será devolvida aos verdadeiros donos. A secretária, que morreu em dezembro, manteve o desenho Duas Mulheres Deitadas escondido num armário. No testamento, ela pediu que a obra fosse devolvido à cidade de Linz.

O desenho faz parte de um lote de quatro obras de Klimt e de Egon Schiele que tinha sido emprestado à então Nova Galeria de Linz em 1951 por uma artista local, Olga Jager, que morreu em 1965.

Quando os herdeiros de Jager tentaram restituir as obras pela primeira vez, em 1990, a direção do museu percebeu que elas haviam sumido. Somente em 2006, perante um novo pedido de devolução, o museu respondeu que as peças tinham desaparecido, sem poder esclarecer como e quando.

Assistir ao vídeo 01:19
Ao vivo agora
01:19 min

100 anos sem Klimt

Começou então uma batalha judicial, que terminou com várias sentenças do Supremo Tribunal. A corte concedeu aos herdeiros indenizações que somavam 8,24 milhões de euros. Deles, 7,5 milhões correspondiam à tela Cidade morta de Schiele, apesar das dúvidas de alguns especialistas sobre sua autenticidade.

Com a morte da secretária, a primeira das quatro obras foi encontrada. Em seu testamento, a secretária explicou que tinha se dado conta que os empréstimos ao museu não eram documentados corretamente e que seu chefe, o então diretor do museu, Walter Kasten, pediu que fizesse silêncio sobre o tema e a presenteou em troca com o desenho. Kasten dirigiu a Nova Galeria entre 1958 e 1973, e morreu em 1984.

Embora não esteja claro quando foi dado esse "presente", a agência de notícias austríaca APA indica que há indícios de que a obra tenha sido exposta na galeria Albertina de Viena em 1964. O desaparecimento teria acontecido pouco depois. A secretária se aposentou em 1977 e, quando percebeu que o desenho estava sendo procurado, o escondeu dentro de um armário.

Os três quadros de Schiele que foram emprestados em 1951 junto à peça de Klimt seguem desaparecidos. "O aparecimento deste desenho nos dá a esperança que os outros três também possam vir a ser encontrados", afirmou o prefeito de Linz, Klaus Luger, num comunicado.

Desde 2012, a cidade de Linz oferece uma recompensa de 5 mil euros por pistas que ajudem a recuperar as peças.

O desenho será agora exposto no Museu de Arte Lentos numa mostra sobre Klimt, que está em exposição até 21 de maio. A prefeitura afirmou ainda que está iniciando o processo para devolver a obra aos seus legítimos proprietários.

CN/efe/lusa/dpa/afp

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados