Desemprego na zona do euro atinge nível recorde no final de 2011 | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 31.01.2012
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Desemprego na zona do euro atinge nível recorde no final de 2011

Taxa média de desemprego atingiu 10,4% em dezembro. Situação é pior na Espanha e na Grécia, onde o nível gira em torno de 20%. Áustria, Holanda, Luxemburgo e Alemanha registram números melhores.

Espanha tem maior taxa de desemprego da Europa

Espanha tem maior taxa de desemprego da Europa

A taxa de desemprego na zona do euro alcançou no final de 2011 o maior nível desde a adoção da moeda comum. Segundo dados divulgados nesta terça-feira (31/01) pelo órgão europeu de estatísticas Eurostat, a taxa média foi de 10,4% em dezembro.

O Eurostat também revisou a taxa de novembro, que passou de 10,3% para 10,4%. Na média do ano, a taxa se manteve estável em relação a 2010, na marca de 10,1%.

Pelos cálculos do Eurostat, cerca de 16,47 milhões de pessoas estavam sem emprego na zona do euro no mês de dezembro. O número representa uma alta de 20 mil na comparação com novembro e de 751 mil pessoas em relação a dezembro de 2010.

Considerando todos os países da União Europeia, a falta de trabalho afetou 23,8 milhões de pessoas em dezembro passado.

As menores taxas de desemprego foram registradas na Áustria (4,1%), na Holanda (4,9%) e em Luxemburgo (5,2%), países não afetados pela crise da dívida que assola a região sul do bloco europeu.

O país em pior situação é a Espanha, onde a taxa de desemprego alcança 22,9%. Na Grécia, outro país em dificuldades, ela é de 19,2%. A situação é especialmente ruim para os jovens espanhóis, já que quase a metade das pessoas com menos de 25 anos não tem trabalho no país.

Número de janeiro na Alemanha

Na Alemanha, o número de desempregados superou de novo a marca dos 3 milhões em janeiro de 2012. Segundo dados do Departamento Federal de Estatísticas da Alemanha (Destatis), havia 3,082 milhões de desempregados no país, o que corresponde a uma taxa de desemprego de 7,3%.

Em dezembro, o índice havia sido de 6,7%. Apesar da alta, esse é o melhor número para um mês de janeiro em 21 anos. "Estamos surpresos", declarou o chefe da Agência Federal do Trabalho, Frank-Jürgen Weise.

AS/dpa/rtr
Revisão: Carlos Albuquerque

Leia mais