1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Desemprego médio em 2015 foi de 8,5%

Taxa de desemprego cresce e fecha 4º trimestre de 2015 em 9%. Em todo o Brasil havia 9,1 milhões de pessoas desocupadas no final do ano passado, ou 2,6 milhões a mais do que um ano antes.

A situação do mercado de trabalho brasileiro piorou no último trimestre de 2015, em meio a um cenário de forte recessão econômica e inflação elevada. Segundo o IBGE, no final do ano passado havia 9,1 milhões de pessoas à procura de um emprego no Brasil.

Isso são 2,6 milhões de desempregados a mais do que no último trimestre de 2014, quando a taxa de desemprego era de 6,5%. Na comparação com o terceiro trimestre de 2015, quando a taxa era de 8,9%, o total de desempregados ficou estatisticamente estável.

Assistir ao vídeo 05:03

E se o dinheiro vivo deixasse de existir?

Esses 9,1 milhões de pessoas sem emprego no final de 2015 representam 9% da força de trabalho brasileira, que é de pouco mais de 101 milhões de trabalhadores. Mas nem todas elas perderam o emprego e não conseguiram achar outro ao longo do ano. Há também muitas pessoas que ingressaram no mercado de trabalho.

Segundo o IBGE, o número de pessoas ocupadas caiu em cerca de 600 mil, para 92,3 milhões, enquanto que o número de pessoas dispostas a trabalhar – que formam a força de trabalho – aumentou em 2 milhões em um ano. Isso significa que a economia, estagnada, falhou em produzir novos postos de trabalho para todos que querem trabalhar.

Já o número de pessoas com carteira assinada no setor privado era de 35,4 milhões no último trimestre de 2015, recuo de 1,1 milhão em relação ao último trimestre de 2014.

O setor que registrou o maior número de demissões líquidas (total de contratações menos total de demissões) no quarto trimestre em relação ao mesmo período de 2014 foi a indústria, com saldo negativo de 1,065 milhão de pessoas, uma queda de 7,9%.

Na média de todo o ano de 2015, a taxa de desemprego foi de 8,5%, percentual também recorde. Em 2014, a média havia sido de 6,8% (a baixa recorde, em 2012, fora de 5,5%). A população desocupada passou de 6,7 milhões na média de 2014 para 8,6 milhões na média de 2015. Já a população ocupada ficou estável em 92,1 milhões, também na média do ano.

No final de 2015, o rendimento médio dos trabalhadores, de R$ 1.913, caiu 1,1% em relação ao trimestre anterior, quando era de R$ 1.935, e também recuou 2% em relação ao mesmo trimestre de 2014, quando era de R$ 1.953.

Perspectivas negativas

"Projetamos que o mercado de trabalho se deteriore mais, dada a expectativa de que a economia vai passar por recessão profunda", afirmou o diretor de pesquisa econômica do banco Goldman Sachs para América Latina, Alberto Ramos, à agência de notícias Reuters.

Ele destacou ainda que o recuo da confiança dos consumidores e empresários e as condições financeiras mais apertadas levarão a taxa de desemprego a subir ainda mais em 2016 e à estagnação no crescimento real do salário.

Os números fazem parte da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua do IBGE e foram divulgados nesta terça-feira (15/03). A série foi iniciada em 2012.

Em 2015 a economia brasileira encolheu 3,8%, pior resultado desde 1990, e a recessão não dará trégua este ano. Expectativa de especialistas consultados na pesquisa Focus do Banco Central é de contração de 3,54% do Produto Interno Bruto (PIB), com a inflação medida pelo IPCA chegando a 7,46%.

AS/rtr/abr/ots

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados