Desaceleração da economia americana afeta exportações alemãs | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 25.03.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Desaceleração da economia americana afeta exportações alemãs

A crise econômica e financeira norte-americana e a alta do euro prejudicam as exportações da Alemanha para os Estados Unidos, seu maior parceiro econômico fora da Europa.

default

Economia alemã deverá crescer em torno de 1,5% este ano, segundo previsões

As exportações alemãs para os Estados Unidos caíram 5,9% em 2007, para 73,4 bilhões de euros, segundo divulgou o Departamento Federal de Estatísticas. A queda foi atribuida à desaceleração da economia norte-americana e à alta do euro. Diante do prognóstico de que o euro deverá se valorizar ainda mais em relação ao dólar, prevê-se que as exportações alemãs para os EUA continuarão diminuindo no ano corrente. Alemanha afetada pela crise americana Se a Alemanha pode contar com um bom desempenho de sua economia em 2008, cresce também o receio de que a crise norte-americana e as recentes turbulências no mercado financeiro possam ter um impacto negativo sobre a economia alemã – apesar de o governo em Berlim insistir que não há razão para pânico. Gustav Horn, diretor científico do Instituto de Macroeconomia e Pesquisa Conjuntural (IMK) da Fundação Hans Böckler, ligada aos sindicatos do país, prevê que o crescimento da economia alemã em 2008 ficará em 1,3%, um índice inferior à previsão inicial de 1,5%. O governo alemão espera 1,7%. No ano passado, a taxa de crescimento da economia alemã foi de 2,5%. Os perigos para a economia alemã não podem ser atribuídos a uma única causa, conforma constata Jürgen Thumann, presidente da Confederação da Indústria Alemã (BDI). "O que está tornando a situação difícil para as empresas é o efeito da queda do dólar, o aumento do preço do petróleo, a desaceleração da economia norte-americana e a crise financeira", afirmou Thumann. Surto de exportações para a Polônia Em 2007, as exportações alemãs aumentaram para 969 bilhões de euros, o que representa um crescimento de 8,5%. Especialistas da Confederação Alemã do Comércio Atacadista e de Exportação (BGA) prevêem que essa tendência deverá se acentuar: com um crescimento de mais 5%, as exportações deverão passar a marca de 1 trilhão de euros pela primeira vez este ano. Apesar da crise norte-americana, as exportações alemãs para outros países deverão crescer significativamente. Entre os 15 países que mais importam da Alemanha está a Polônia. No ano passado, o aumento das exportações para esse país – de 24,3% – foi o mais alto e o volume exportado chegou a 36,1 bilhões de euros. Em 2007, as exportações alemãs para a Rússia somaram 28,2 bilhões de euros, o que representa um considerável crescimento de 20,6% em relação ao ano anterior. Diante da intenção russa de investir mais em infra-estrutura, a BGA prevê que as exportações alemãs para esse país venham a crescer mais 20% este ano. Russia pode superar China A França continua sendo o mais importante destino das exportações da Alemanha. No ano passado, as vendas alemãs para o país vizinho subiram cerca de 10,4%, chegando a 93,9 bilhões de euros. Após a França, os países que mais importam produtos da Alemanha são os EUA, o Reino Unido, a Itália e a Holanda. A China continua sendo um importante parceiro econômico da Alemanha. As exportações alemãs para este país aumentaram 8,9%, atingindo o volume de 29,9 bilhões de euros. No ano corrente, entretanto, espera-se que a Rússia supere a China nas importações, considerando a dependência desta da economia norte-americana.

Leia mais