1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Desabamentos no Rio levantam dúvidas sobre segurança de construções

Causas do desabamento de prédios no centro do Rio de Janeiro ainda são desconhecidas. Prioridade continua sendo o resgate de vítimas ou possíveis sobreviventes e, segundo autoridades, não há risco de novos desabamentos.

Falha estrutural pode ter sido causa de desabamentos

Falha estrutural pode ter sido causa de desabamentos

Especialistas ouvidos pela DW Brasil garantem que o desabamento de três prédios no centro da cidade do Rio de Janeiro registrado na noite desta quarta-feira (25/01) representa uma situação isolada. Oficialmente, nenhuma hipótese foi descartada ainda, mas o presidente da Comissão de Prevenção e Análise de Acidentes do Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura do Rio de Janeiro (CREA-RJ), engenheiro Luiz Antônio Cosenza, disse que a hipótese mais provável é de falha na estrutura.

Ele acompanha de perto o trabalho das equipes de resgate e remoção de escombros e afirmou que "a maior possibilidade é que houve um problema estrutural, mas não sabemos se [esse problema foi] causado por obras que foram feitas agora". Ele faz referência a duas obras que aconteciam no terceiro e no nono andar do edifício de 20 andares, o mais alto dos três. "Essas obras eram feitas só à noite, sem conhecimento do CREA", alertou o engenheiro.

Obras irregulares

Visão geral da catástrofe no centro do Rio de Janeiro

Visão geral da catástrofe no centro do Rio de Janeiro

Além da ilegalidade, as obras que estavam sendo realizadas em um dos prédios têm sido o foco da atenção dos especialistas, pelo risco de alteração na estrutura dos edifícios. Caso não sejam supervisionadas por profissionais experientes, simples reformas podem apresentar grande risco, explicou Dickran Berberian, professor de Engenharia Civil e Ambiental da Universidade de Brasília e Patologista de Estruturas e Fundações.

Em entrevista à DW Brasil, Berberian afirmou que profissionais de obras irregulares "às vezes cometem falhas elementares, tiram colunas do prédio, cortam vigas, e às vezes tiram paredes que podem estar em uma posição estratégica". Ainda segundo o especialista, a irregularidade é uma situação comum em todo o país. "Isso é muito comum no Brasil, não fazer registro e não haver responsável pelo serviço", alertou.

Apesar disso, no panorama internacional, o Brasil ocupa posição privilegiada no que se refere a problemas em construções. Dickran Berberian disse que "estatisticamente temos menos problemas que o resto do mundo, mas isso traz como subproduto uma relaxação, ou seja, todo mundo acha que as obras não precisam de manutenção". Mas segundo o engenheiro Luiz Antônio Cosenza, os prédios não apresentavam problemas de manutenção, causa mais frequente de acidentes como esse.

Prédios antigos, mas resistentes

Especialistas consideram improvável hipótese de explosão

Especialistas consideram improvável hipótese de explosão

Embora antigos, os prédios que desabaram eram considerados seguros. Segundo o engenheiro Cosenza, "antigamente, como não havia todas essas facilidades que hoje existem de informática, as pessoas superdimensionavam as estruturas". Ele dá um exemplo: "não que os prédios mais modernos sejam mal construídos, mas, antigamente, se você precisava usar um ferro de um determinado diâmetro [no concreto armado], você usava um diâmetro acima por garantia".

Os três prédios foram construídos em uma região de aterro, que antes era coberta por água. Esta é uma realidade de muitas capitais brasileiras e é uma prática que exige cuidados específicos. Dickran Berberian explicou que as regras para construção em cidades costeiras, onde aterros são comuns, vão se adaptando ao longo do tempo. "Em áreas marítimas, como Recife, Rio de Janeiro e Salvador, normalmente a gente colocava um centímetro de concreto a mais cobrindo o ferro para não deixar os gases chegarem ao ferro e provocar corrosão". Hoje, a exigência é de 2,5 centímetros a mais de recobrimento.

Outra hipótese menos provável é uma explosão de gás. Em outubro do ano passado, um restaurante, também no centro do Rio, foi destruído após a explosão de cilindros de gás acondicionados de forma irregular. O acidente matou quatro pessoas e feriu outras 17.

A partir das características do desabamento desta quarta-feira, o engenheiro Dickran Berberian avalia que é pouco provável que uma explosão de gás tenha causado um desabamento de um prédio de 20 andares, "a menos que a explosão estivesse concentrada numa região de pilares, como a caixa de elevadores", hipótese que está sendo descartada por técnicos no local.

O desabamento

Por volta das 20h30 da noite da quarta-feira (25/01), no horário de Brasília, três prédios comerciais da Avenida Treze de Maio, na região central do Rio de Janeiro, desabaram. Segundo relatos de testemunhas, o primeiro a cair foi o Edifício Liberdade, de 20 andares. Em seguida outros dois prédios também ruíram: o de quatro andares, e um terceiro, de dez andares.

Os três edifícios ficam atrás do Theatro Municipal, importante ponto turístico da cidade, em uma região por onde circulam milhares de pessoas diariamente. Quatro outros prédios da região foram interditados por precaução, mas não há risco de outros desabamentos, segundo a Defesa Civil.

Os esforços das autoridades locais estão concentrados na busca e resgate de vítimas com a ajuda de três escavadeiras hidráulicas, um guindaste de 100 toneladas, duas tesouras mecânicas e um rompedor pneumático disponibilizados pela Secretaria Municipal de Obras.

O prefeito da cidade do Rio, Eduardo Paes, disse que as investigações que vão apontar a causa do desabamento só deverão acontecer após a liberação do local. "Os bombeiros continuam as buscas e as equipes da prefeitura estão dando todo o apoio. O trabalho de limpeza avançou muito, com a retirada dos entulhos. Queremos acelerar o trabalho para que possamos saber o que de fato aconteceu", disse o prefeito.

O número de desaparecidos muda a todo instante. Para centralizar o registro, a Câmara dos Vereadores do Rio de Janeiro, que funciona em um prédio próximo ao Theatro Municipal, abriga um centro de informações para atender as famílias, com assistentes sociais, enfermeiros, médicos e ambulâncias.

Autora: Ericka Galindo
Revisão: Carlos Albuquerque

Leia mais