1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Derrota social-democrata causa reviravoltas na política alemã

Schröder propõe antecipação de eleições parlamentares, após derrota de seu partido em pleito regional na Renânia do Norte-Vestfália. Decisão pode significar o fim da atual coalizão de governo.

default

Fim da era Schröder?

Para a política alemã, os resultados das eleições deste domingo (22) no Estado mais populoso do país podem resultar em uma troca no governo federal em Berlim. Este claro "não" do eleitorado – que foi às urnas em número sensivelmente superior que há cinco anos atrás – levou o chanceler federal, Gerhard Schröder, a propor eleições antecipadas ao Parlamento (Bundestag) para o segundo semestre deste ano.

As eleições deveriam acontecer normalmente apenas um ano mais tarde, em 2006. "Com os resultados amargos para o meu partido na Renânia do Norte-Vestfália, foi posta em xeque a base política para a continuação do nosso trabalho", declarou o premiê.

"Obrigação e responsabilidade"

Visivelmente abatido, Schröder afirmou frente às centenas de jornalistas e câmeras que a convocação de eleições antecipadas para o Parlamento são sua "obrigação e responsabilidade". A decisão final sobre uma possível antecipação das eleições só pode ser tomada, porém, depois que o chefe de governo perder no Parlamento uma moção de confiança. Representantes da União Democrata Cristã, dos Verdes e do Partido Liberal já declararam estar de acordo com a sugestão do premiê.

Políticos social-democratas despedem-se do governo da Renânia do Norte-Vestfália após 39 anos no poder, no Estado que foi o último ainda governado pela coalizão de governo no poder em Berlim. E exatamente por isso o pleito serviu de "termômetro" para a política nacional. Os resultados foram os piores para os social-democratas nas últimas cinco décadas no Estado.

Democrata-cristãos preparam candidato

Angela Merkel in Bundestag für Frauengalerie p178

Angela Merkel, possível candidata da oposição

A oposição democrata-cristã interpreta os "excelentes resultados" como um sinal da insatisfação da população com o atual governo e já se prepara para escolher um candidato ao posto de chanceler federal, hoje ocupado por Schröder. Há nítidos sinais de que a atual presidente da União Democrata Cristã, Angela Merkel, venha a ser o nome escolhido. Em entrevista a uma rede de TV alemã, Merkel deixou em aberto sua possível candidatura, afirmando apenas que "vamos ver primeiro como as coisas andam".

"As pessoas têm que saber por quem querem ser governadas"

Der SPD-Vorsitzende Franz Müntefering kündigt Neuwahlen für den Herbst an

Franz Müntefering, presidente do Partido Social Democrata

O presidente do SPD, Franz Müntefering, afirmou acreditar que Schröder possa continuar governando o país, mas salientou a necessidade de esclarecer as relações de poder, diante da derrota no último reduto de seu partido. A opção por eleições antecipadas é uma tentativa de reorganizar as forças políticas nas câmaras alta (Bundesrat) e baixa (Bundestag).

"As pessoas têm que dizer por quem elas querem ser governadas neste país", concluiu Müntefering, referindo-se às dificuldades do atual governo social-democrata-verde em contar com o apoio do Bundesrat, cuja maioria de cadeiras pertence à oposição democrata-cristã. "Para dar continuidade às reformas, que na minha opinião são necessárias, acho imprescindível contar com o apoio de uma nítida maioria dos alemães", observou Schröder em seu pronunciamento ao propor publicamente a antecipação do pleito.

As eleições na Renânia do Norte-Vestfália despertaram um interesse incomum da mídia internacional. Mais de 1400 jornalistas de todo o mundo cobriram o pleito e 15 redes de televisão estrangeiras acompanharam os resultados.

Leia mais