Derrota precipita fim da vida política de Sarkozy | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 21.11.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Derrota precipita fim da vida política de Sarkozy

Derrotado nas primárias da centro-direita, ex-presidente alerta para que franceses "nunca sigam o caminho dos extremos". Resultado coloca ex-premiê François Fillon como favorito para se tornar candidato em 2017.

O ex-presidente francês Nicolas Sarkozy, em discurso após resultado das primárias. (Picture-Alliance/dpa/Epa/I. Langsdon)

O ex-presidente francês Nicolas Sarkozy, em discurso após resultado das primárias.

O ex-presidente francês Nicolas Sarkozy reconheceu neste domingo (20/11) sua derrota no primeiro turno das primárias da centro-direita e anunciou a sua retirada definitiva da vida política. Terceiro colocado, ele prometeu apoiar no segundo turno o seu antigo primeiro-ministro François Fillon, que se torna assim o favorito a disputar o cargo entre abril e maio do ano que vem.

 "Chegou a hora, para mim, de levar uma vida com mais paixão privada e menos paixão pública”, declarou Sarkozy em breve discurso após a divulgação do resultado da votação. Sarkozy fez também um apelo a seus eleitores: "Nunca sigam o caminho dos extremos", disse, numa clara alusão ao partido populista de direita Frente Nacional, de Marine Le Pen.

Sarkozy deixou ainda uma mensagem emotiva: "Boa sorte à França, boa sorte a vocês, meus queridos compatriotas. Estejam certos de que francês eu sou, francês continuarei e tudo o que de perto ou de longe afetar a França, vai me tocar profundamente", disse.

Adorado por uns e detestado por outros, Sarkozy, de 61 anos, governou entre 2007 e 2012 e nunca fez qualquer tentativa de recuperar o poder. Durante a campanha, apresentava-se como a voz "da maioria silenciosa" contra as elites.

"Eu sou assim, a gente não muda. Não tenho rancores ou tristezas e desejo o melhor para meu país e para vocês, meus queridos compatriotas", afirmou. "E para quem vier a governar este país que eu amo tanto, a direita deixou uma boa imagem e eu tive a honra de participar deste combate. Adeus a todos.”

Resultado

Com 20% dos votos no primeiro turno da votação para definir o candidato conservador, Sarkozy perdeu para Alain Juppé (28,6%) e François Fillon (44%), ficando assim fora da corrida eleitoral em 2017.

Para o segundo turno das primárias conservadoras entre Fillon e Juppé, Sarkozy afirmou que dará seu voto para o primeiro. "Tenho muita estima por Alain Juppé, mas as escolhas políticas de François Fillon me são mais próximas”, explicou Sarkozy, numa referência ao plano econômico e conservador e às questões sociais defendidas pelo seu antigo chefe de governo.

As primárias da oposição francesa, etapa-chave para as presidenciais de 2017, começaram oficialmente no dia 21 de setembro com a confirmação de sete candidatos, entre os quais eram favoritos Nicolas Sarkozy, o ex-primeiro-ministro Alain Juppé e o também antigo chefe de governo François Fillon. Elas foram anunciadas como dirigidas a todos os que se reconhecem nos "valores da direita e do centro", militantes ou não. 

Votaram nas eleições de domingo cerca de quatro milhões de eleitores.

IP/lusa/afp

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados