1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

Deputados aprovam legalização da maconha no Uruguai

Projeto de lei depende agora da sanção do Senado. Consumo seria permitido apenas a cidadãos uruguaios. Mais da metade da população desaprova a proposta.

Após 14 horas de debate, a Câmara dos Deputados do Uruguai sancionou nesta quarta-feira (31/07) um projeto de lei que pretende legalizar a maconha e entregar seu controle ao Estado. Para entrar em vigor, a medida depende agora apenas da aprovação do Senado.

O projeto foi aprovado na câmara com 50 votos a favor e 46 contra. Assim como ocorreu nos últimos meses com o aborto e o casamento homossexual, o bloco governista Frente Ampla (FA) conseguiu impor sua maioria parlamentar. Como o FA também tem maioria suficiente no Senado, analistas estimam que a lei entre em vigor até o final deste ano.

Segundo a proposta, o Estado assumirá o controle e a regulação desde a importação e exportação até o cultivo, o armazenamento e a comercialização da maconha. O governo disse que a regulação do mercado virá acompanhada de campanhas de educação, prevenção e tratamento.

Como o objetivo não é promover o chamado "turismo canábico", o consumo será permitido apenas aos cidadãos uruguaios. A lei prevê a criação de um registro de usuários, maiores de 18 anos, que poderão adquirir até 40 gramas mensais da droga para uso recreativo ou medicinal em farmácias autorizadas.

De acordo com a Junta Nacional de Drogas, 20% dos uruguaios entre 15 e 65 anos já consumiram maconha alguma vez na vida. Entretanto, 63% dos uruguaios opõem-se à proposta de legalização.

O presidente uruguaio, José Mujica, defende a despenalização e a regulação do comércio da maconha com o argumento de que isso enfraquecerá os cartéis e reduzirá a violência ligada às drogas. Um a cada três presos cumpre pena associada ao tráfico ilícito de narcóticos no país.

Com a aprovação da lei, o Uruguai assumiria a vanguarda da despenalização do cultivo de maconha na América Latina. Muitos países veem a medida com receio. Já personalidades como o Nobel de Literatura Mario Vargas Llosa e o secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), José Miguel Insulza, manifestaram aprovação. "Vale a pena testar", diz Insulza.

LPF/rtr/efe

Leia mais