Deposição de governo no Quirguistão preocupa países vizinhos | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 08.04.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Deposição de governo no Quirguistão preocupa países vizinhos

Depois de conflitos violentos entre manifestantes e forças de segurança no Quirguistão, a oposição anunciou hoje (8/4) a constituição de um governo provisório que tomará as rédeas do país durante seis meses.

default

Protestos deixaram pelo menos 75 mortos e mais de mil feridos

A líder da oposição e antiga ministra das Relações Exteriores, Rosa Otunbayeva, dissolveu o Parlamento e assumiu a liderança do governo interino. Ela anunciou que será promulgada uma nova Constituição e que se convocarão novas eleições.

Kirgistan Kirgisien Rosa Otunbajewa in Bischkek

Rosa Otunbayeva declarou-se chefe interina do governo por seis meses

Na quarta-feira (7/4), milhares de opositores do governo invadiram as ruas na capital Bishkek para protestar contra a corrupção no governo do presidente Kurmanbek Bakiev. Pelo menos 75 pessoas morreram e mil ficaram feridas nos conflitos, segundo informou o Ministério da Saúde do país.

Na cidade de Talas, ao oeste de Bishkek, mais de 80 policiais saíram feridos dos confrontos com manifestantes ocorridos na véspera. Estes ocuparam a sede do governo regional e reivindicaram a renúncia do presidente do Quirguistão, considerado o país mais pobre de Ásia Central.

Inicialmente, a mídia quirguiz havia noticiado a renúncia do presidente Bakiev, provavelmente refugiado na região central de Jalal-Abad. Depois, agências de notícias locais desmentiram a renúncia. Bakiev havia assumido o poder em 2005, depois da Revolução das Tulipas, que começou com manifestações semelhantes.

Nesta quinta-feira, o primeiro-ministro russo, Vladimir Putin, reconheceu o governo provisório do Quirguistão e prometeu enviar ajuda ao país. Em conversa telefônica com a chefe interina do governo, Rosa Otunbayeva, Putin apelou pelo fim da violência na ex-província soviética.

Moscou enviou 150 soldados ao Quirguistão para proteger a base da força aérea russa na cidade de Kant, afirmou o comandante do Estado-Maior das Forças Armadas russas, general Nikolai Makarov.

Karte Kirgisistan Brasilianisch

O Uzbequistão fechou suas fronteiras com o Quirguistão. O governo da China, por sua vez, se declarou profundamente preocupado com a situação e espera que o país vizinho restabeleça rapidamente a ordem. O ministro alemão do Exterior, Guido Westerwelle manifestou-se também pelo fim da violência no país asiático.

"Não está fácil a situação", consentiu Rosa Otunbayeva. "Ainda não está claro onde o presidente se encontra. O governo provisório já começou a trabalhar hoje. Pedimos que os militares renunciem ao uso da força e que a população não promova mais violência", declarou ela.

Causas do conflito

O motivo que levou à explosão dos protestos nesta quarta-feira já fermentava há muito tempo entre os quirguizes. As razões para o descontentamento são muitas: alta taxa de desemprego, problemas de infraestrutura, pobreza generalizada. A região fronteiriça com a China depende de ajuda internacional para se sustentar, mas o dinheiro não estava chegando à população, sendo barrado pela burocracia do governo de Bakiev.

De acordo com Uwe Halbach, do Instituto Alemão de Assuntos Internacionais e de Segurança (SWP, na sigla em alemão), em Berlim, a situação se tornou insustentável. “Nos últimos meses, observamos que as condições de vida pioraram nitidamente no país: aumento de preços, falta de energia... No contexto político, a oposição e a sociedade civil foram ficando frustradas com um governo que vinha se mostrando cada vez mais autoritário”.

Flash-Galerie Kirgistan Kirgisien Demonstranten in Bischkek

Autoritarismo, corrupção e más condições de vida levaram ao limite o país mais pobre da Ásia Central

O presidente deposto agora havia se tornado um símbolo de esperança com a Revolução das Tulipas, em 2005. Depois da derrubada violenta do governo anterior, de Askar Akayev, ele havia prometido levar adiante o processo de reforma iniciado após a dissolução da União Soviética.

“Quando Akayev fugiu e elegemos Bakiev, tínhamos esperança de que o novo presidente seria melhor. Mas nos enganamos e elegemos um clã familiar corrupto. Bakiev tem sete ou oito irmãos, e todos se envolvem nos assuntos públicos. Não são os governadores ou ministros e sim os irmãos de Bakiev que tomam as decisões no Quirguistão. Por isso, não o queremos mais como presidente“, conta um morador da cidade de Bishkek.

Nas eleições de 2009, em que Bakiev se reelegeu com 76% dos votos, os concorrentes não tiveram chance. Segundo opositores, a votação foi amplamente manipulada.

Autor: Christina Nagel / Stefan Laack / Francis França
Revisão: Simone Lopes

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados