Demolição de modelo nazista de arquitetura em Veneza divide opiniões | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 02.07.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Demolição de modelo nazista de arquitetura em Veneza divide opiniões

Construído em 1909 e reformado em 1938 pelos nazistas, Pavilhão Alemão faz parte da Bienal de Arquitetura de Veneza. Há poucas semanas do evento, o futuro do prédio está em debate.

default

Pavilhão Alemão em Veneza

O pavilhão alemão não fica longe do parque de exposições Giardini, local que abrigará a Bienal da Arquitetura de Veneza, cuja 12º edição começa em 29 de agosto. Em 2011, acontece ali também a Bienal da Arte, onde artistas jovens têm oportunidade de mostrar seus trabalhos para um público internacional.

No local, ficam outros 27 pavilhões nacionais. E um deles sempre choca: o pavilhão alemão, documento arquitetônico do regime nazista. Agora, a discussão sobre a demolição e construção de um novo prédio, provocada pela Federação dos Arquitetos na Alemanha, deixou o debate mais polêmico.

Deutscher Pavillon Biennale Venedig 2008 Flash-Galerie

Vista noturna do prédio: ideologia nazista

Documento nazista

É possível avistá-lo já nas proximidades do parque Giardini. Dali vê-se a laguna em direção à praça São Marcos e a enorme cúpula da Basílica de São Jorge na ilha logo em frente. O prédio, em si, não é muito convidativo. A entrada é um portal monumental de quatro pilares enormes sob um teto pesado. O amplo espaço é iluminado apenas por uma fileira de claraboias, e não é possível olhar para fora, ou avistar a laguna.

O presidente da Federação dos Arquitetos na Alemanha, Arno Sighard Schmid, fala sobre a relação do prédio com o passado: "O pavilhão, que em 1938 foi transformado em templo nazista por Ernst Haiger, é pouco apropriada seja para a arquitetura ou para a arte. Ele não tem ligação com a laguna, ou mesmo com a silhueta da cidade de Veneza", diz Schmid.

Segundo ele, o prédio, com sua pequena dimensão, mas um caráter monumental, refletia a imagem que os nazistas tentaram construir da Alemanha, uma situação que não condiz com a atualidade. "Não se trata apenas de uma questão estética, mas de uma questão emocional", concluiu.

Venedig Biennale Kunst Deutscher Pavillion Flash-Galerie

Pavilhão na 45º edição da Bienal: a arte de Hans Haacke

História original

O pavilhão alemão em Veneza foi originalmente construído em 1909, como pavilhão bávaro, segundo o projeto de um arquiteto veneziano. A construção, com pilares na parte da frente, lembra um templo da Antiguidade. Em 1938, o pavilhão foi reformado pelos nazistas, que o adaptaram aos seus padrões arquitetônicos.

A dimensão do grande salão, e também o ambiente, sempre foram desafios para os artistas. Em 1993, o artista conceitual alemão Hans Haack quebrou o piso de travertino, onde Hitler e Mussolini já haviam pisado, e os fragmentos foram deixados ali. "Esperança fracassada" chama-se o trabalho artístico.

Para Susanne Gaensheimer, diretora do Museu de Frankfurt para Arte Moderna e curadora da Bienal de 2011, a arte não deve ser tão dramática. "Há também vários outros exemplos de pavilhões de arquitetura planejada com uma conotação ideológica, que mostram que justamente a preocupação ou também a confrontação com essa arquitetura resultaram em projetos e obras notáveis."

Na visão de Gaensheimer, é preciso fazer a diferenciação entre a arquitetura e o que aconteceu no interior do prédio. "Há exemplos excelentes de bons trabalhos nesse pavilhão, e é isso que representa o país", opina Gaensheimer.

História e arquitetura

Um bom exemplo desse caso foi a Bienal da Arquitetura há quatro anos, sob o título apropriado "Conversível". A equipe de curadores, do escritório Grüntuch e Ernst, colocou uma escadaria provisória vermelha por meio de uma janela do pátio interno na lateral do prédio, pela qual podia-se chegar ao telhado e ter uma visão de Veneza.

Para Arno Sighard Schmid, aquela foi uma boa ideia – mas que não pode ser repetida. "Isso está associado a uma enorme dificuldade, mas mostrou que o telhado permitia uma situação tão maravilhosa, esse é o motivo que me estimulou, que a democracia, a nossa atual república em termos de arquitetura e arte, precisa ser apresentada no exterior de modo diferente", diz Schmid.

Susanne Gaensheimer faz outras considerações. "Demolir não quer dizer que se pode mudar a História, pelo contrário, nós podemos usar a arquitetura também para manter uma consciência permanente da História. Isso eu acho mais importante do que uma demolição."

Venedig Biennale Kunst Deutscher Pavillion Flash-Galerie

Pavilhão Alemão na Bienal de 2006: escadaria levava ao telhado

Ela convidou o artista performático Christoph Schlingensief para o evento de 2011. Num comentário feito pelo artista, ele diz que gostaria de poder excluir o prédio com um clique do mouse – e a curadora não interpreta essa opinião como uma posição pró-demolição.

"Eu imagino que ele queira dizer que gostaria que essa discussão desaparecesse com um clique de mouse, porque ela nos detém por tanto tempo e sempre ficamos presos a ela", opina Gaensheimer.

Num blog sobre o tema, Schlingensief classifica como "idiota" a proposta de demolição. A convocação da máquina de terraplanagem mostra apenas o desejo de uma solução rápida e falta de imaginação.

Autora: Sigfrid Hoff (np)

Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais