1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Demolição de antigo museu vira principal polêmica da reforma do Maracanã

Indígenas querem recuperar casarão que abrigou o antigo Museu do Índio, mas o governo do Rio pretende demolir o prédio para dar lugar a uma área de circulação. Embate pode parar no Superior Tribunal de Justiça.

Em contagem regressiva para o início da Copa do Mundo do Brasil, em 2014, o projeto de modernização do Estádio do Maracanã, palco da final da competição, é o centro de uma batalha judicial que opõe o Governo do Rio de Janeiro a um pequeno – mas ruidoso – grupo de índios.

Instalada em um casarão abandonado, invadido há seis anos e vizinho ao estádio mais famoso do país, a chamada Aldeia Maracanã reúne cerca de 50 índios de dez etnias que lutam pela recuperação do local e sua transformação num espaço de difusão cultural. O endereço hospedou o Serviço de Proteção ao Índio – primeira instituição do país a tratar deste povo – no início do século 20 e abrigou o Museu do Índio entre 1953 e 1978.

O governo, no entanto, tem planos bem diferentes: quer demolir o prédio e transformar o terreno de 1.600 metros quadrados numa área de circulação para facilitar a chegada e saída do público.

A intenção de derrubar o casarão e os equipamentos esportivos vizinhos ao estádio – que no projeto original de modernização não seriam afetados – foi revelada publicamente em outubro passado. Em prol dos interesses indígenas, a Defensoria Pública da União pediu o tombamento da construção e obteve liminares para impedir a demolição.

Órgãos técnicos como o Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) e o Inepac (Instituto Estadual do Patrimônio Cultural), além da própria Fifa (Federação Internacional de Futebol Associado), organizadora da Copa do Mundo, manifestaram repúdio à decisão do governador Sérgio Cabral Filho, que à época minimizou a importância histórica do local.

Gebäude des Museum do Indio Rio de Janeiro

Barracas dentro do prédio, cujas condições são precárias

"Decisão política"

O ponto máximo de tensão veio no último dia 12, quando cerca de 30 policiais militares do Batalhão de Choque rodearam o edifício à espera de uma ordem judicial para retirar os índios. Sem amparo legal, o cerco foi desmontado 12 horas depois.

Notificados pela Justiça, os invasores têm agora até o dia 28 para deixar o local – caso contrário, serão alvos de uma ação de reintegração de posse. Nesse meio tempo, a Defensoria Pública pediu a intervenção do governo federal e já cogita levar a questão ao Superior Tribunal de Justiça (STJ). Na última quarta, os índios enviaram uma carta à Unesco, pedindo apoio à causa.

"Não há a menor dúvida de que essa não é uma questão técnica, mas política", afirma o defensor público federal Daniel Macedo. "O local tem reconhecida importância material e imaterial. O argumento de que o prédio atrapalha a mobilidade do público não se sustenta. Após as obras, o Maracanã terá capacidade para 75 mil torcedores. No passado, havia partidas para até 180 mil pessoas e nunca houve esse tipo de problema." Por sua vez, o governo afirma que a obra é necessária para que o futuro complexo atenda às necessidades de circulação de público em padrão internacional.

Desde o início do imbróglio judicial, a Aldeia Maracanã passou a ser ponto de peregrinação para militantes de movimentos sociais. As visitas de índios de outras regiões do país, como Bahia e Maranhão, também aumentaram: estima-se que hoje o endereço abrigue cerca de 150 pessoas.

Local histórico e ponto estratégico

Abandonado por quase 30 anos, o casarão de dois andares em estilo eclético e construído em meados do século 19 mostra os efeitos do descaso. As salas, ocupadas por barracas de camping espalhadas por todo o primeiro andar, tem poças d'águas por conta das chuvas de verão. Faltam janelas e o teto exibe diversos buracos. Rebocos e ripas de madeira ameaçam despencar.

Os integrantes da Aldeia Maracanã sobrevivem basicamente de doações e da venda de artesanato, que lhes conferem uma renda mensal de aproximadamente R$ 800 por pessoa. Para difundir a cultura indígena, fazem apresentações no local para estudantes.

Gebäude des Museum do Indio Rio de Janeiro

Apurinã: "Temos que preservar a nossa história e ela está aqui"

Localizado a 50 metros do segundo ponto turístico mais visitado do Rio, o endereço também é comercialmente estratégico. "Queremos recuperar o prédio e que ele seja incluído no roteiro de visitas dos turistas que visitam o Maracanã. Temos muito a mostrar e a ensinar. O atual Museu do Índio não nos representa, não temos nenhuma voz ali", afirma Afonso Apurinã, da etnia homônima, originária do Amazonas, e um dos líderes do grupo. Junto com os apurinãs, o casarão abriga pataxós, yanomamis, guajajarás e outras etnias.

À sombra do estádio mais famoso do mundo, Apurinã revela que, apesar da disputa sobre o terreno, é favorável à realização da Copa no Brasil e já frequentou muito o estádio para assistir a partidas do Flamengo. "Logo que cheguei ao Rio, em 1992, não tinha ingresso e pulei o muro do estádio porque tinha que ver o Flamengo ser campeão brasileiro. Foi um sonho realizado", lembra. "Não temos nada contra a Copa. Como todos os brasileiros, também queremos assistir à nossa seleção", diz. 

Diante da resistência, o governo do Rio acena com a construção de um Centro de Referência Indígena a um quilômetro e meio do atual endereço, porém mantém a necessidade de demolir o prédio. "Neste local, eles terão toda a estrutura para se organizar, vender seu artesanato e trabalhar para o fortalecimento da cultura indígena", afirma o secretário estadual de Assistência Social e Direitos Humanos, Zaqueu Teixeira.

Mas a Aldeia Maracanã mantém-se irredutível. "Não estamos atrás de uma assistência habitacional. Temos que preservar a nossa história e ela está aqui dentro", rebate Apurinã.

Autor: Patrick Moraes, do Rio de Janeiro
Revisão: Alexandre Schossler