1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Democracia vence na Ucrânia

O candidato da oposição Viktor Yushchenko venceu as eleições presidenciais da Ucrânia, na repetição do polêmico pleito de 21 de novembro passado, anulado por causa de fraudes em massa. Um comentário.

default

Yushchenko, novo presidente, tem muito trabalho pela frente

Apurados 98,1%, o candidato pró-ocidental obtinha 52,3% dos votos, uma vantagem de 8,4% ou 2,4 milhões de votos sobre o candidato pró-russo Viktor Yanukovich, primeiro-ministro desencompatibilizado para disputar a reeleição. A participação no pleito foi de 77,22% contra 80,85% há um mês.

Apesar não terem sido registradas grandes manipulações pelo observadores nacionais e estrangeiros, o partido de Yanukovich apresentou mais de 550 queixas de irregularidades a serem apuradas. Isso não impede a imprensa européia de falar numa "vitória da democracia". Reproduzimos, a seguir, o comentário da jornalista Ute Schaeffer, chefe da redação ucraniana da Deutsche Welle:

Vitória da democracia – novo presidente tem tarefas gigantes a cumprir

Viktor Yushchenko é o novo presidente da Ucrânia. Com isso, realizou-se a troca de poder esperada pelo Ocidente e exigida pelos ucranianos. Legitimado por uma eleição livre e justa, a principal tarefa do novo presidente ainda está por ser cumprida. A consolidação da democracia e do Estado de direito vai demorar mais e ser mais difícil do que a repetição das eleições.

Wahlen in der Ukraine Viktor Juschtschenko Anhänger

Poder e manipulação do Estado não resistiu à pressão das ruas

O que ocorreu nas últimas semanas não foi mais uma disputa por candidatos ou programas. Foi a luta de um Estado superpoderoso, que usou todos os seus meios para eleger "seu" candidato contra a pressão de uma opinião pública democrática, estudantes corajosos, jornalistas revoltados e empresários críticos. Estes venceram. A democracia venceu na Ucrânia. Cabe agora instituí-la em todos os níveis do Estado e da economia. Uma tarefa gigante.

Os eleitores delegaram a Viktor Yushchenko uma missão clara: garantir mais democracia e uma perspectiva real de vida. Espera-se que, com ele, melhore rapidamente o nível de vida da população – inclusive no meio rural –, e que as aposentadorias e bolsas de estudo aumentem e sejam pagas regularmente.

Mais complicado é o conflito de interesses em nível político e econômico. Yushchenko terá de manobrar, visto que os grupos econômicos concorrentes têm objetivos divergentes e, até agora, partilharam proveitosamente entre si os setores político, empresarial e os meios de comunicação de massa. Ninguém está disposto a renunciar a esse poder.

É preciso combater a corrupção e o nepotismo, que envolvem de forma epidêmica a política, a economia e a sociedade. Uma tarefa que, em 2001, custou a Yushchenko o cargo de chefe de governo. Trata-se de executar uma eficiente política econômica, cujos lucros não devem beneficiar apenas uma minoria e, sim, através de impostos, serem revertidos em contribuições sociais e na criação de uma infra-estrutura.

É necessária uma modernização drástica da indústria e da economia, para que a Ucrânia futuramente possa vender melhor seus produtos. E, não por último, está em jogo uma política externa multivetorial, de importância vital para a Ucrânia com suas numerosas fronteiras.

Yushchenko pode prever o que tem pela frente. No sistema político ucraniano, com seus inúmeros grupos, ele se impôs e soube lidar com os diferentes interesses políticos no país. Por isso, chegou a ser acusado de não ter força de liderança política. Por outro lado, só sobrevive no esfacelado espectro político ucraniano quem busca o consenso e consegue reunir todos os partidos numa mesa.

Fora discursos calorosos, a Europa até agora tem pouco a oferecer à Ucrânia. Nesta hora, finalmente, os vizinhos ocidentais deveriam se preocupar com a Ucrânia, porque a mudança política desencadeada pela eleição não só precisa de tempo – ela necessita também do apoio ativo do exterior. Uma Ucrânia politicamente estável, pacífica e democrática significa mais segurança para a Europa. Por isso, Bruxelas e Berlim deveriam avaliar atentamente as chances decorrentes do resultado eleitoral.

Leia abaixo os comentários da imprensa européia.

Leia mais