Defesa de suspeito de ataques em Paris abandona o caso | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 12.10.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Defesa de suspeito de ataques em Paris abandona o caso

Motivo alegado por advogados de Salah Abdeslam é decisão do cliente de se manter em silêncio. Ele é o único suspeito vivo dos atentados de 13 de novembro de 2015 na capital francesa.

Salah Abdeslam

Autoridades ainda não conseguiram determinar o papel de Abdeslam nos ataques em Paris

Os advogados do único suspeito vivo dos atentados de 13 de novembro de 2015 em Paris, Salah Abdeslam, anunciaram nesta quarta-feira (12/10) que vão abandonar o caso.

O belga Sven Mary e o francês Frank Berton disseram que Abdeslam não colabora mais com a defesa, após decidir permanecer em silêncio em protesto contra a instalação de uma câmera que o vigia durante 24 horas em sua cela de prisão.

"Não achamos que ele vai falar, mas que vai usar o seu direito de permanecer em silêncio", disse Berton. Segundo ele, os dois advogados teriam afirmado desde o início que se o cliente ficasse calado eles abandonariam a defesa.

Advogado Berton criticou a decisão política de colocar Abdeslam sob vigilância durante 24 horas

Advogado Berton criticou a "decisão política" de colocar Abdeslam sob vigilância durante 24 horas

Berton criticou a "decisão política" de colocar Abdelsam sob esse tipo de vigilância, dizendo que pode levar alguém à loucura. O francês lamentou o que chamou de um "imenso desperdício".

Mary lamentou que as idas a prisão para ver Abdeslam parecem inefetivas, como "visitas sociais". "As verdadeiras vítimas disso tudo são as vítimas dos ataques em Paris. Elas têm o direito de saber a verdade e tentar entender o incompreensível”, observou o belga.

Após meses em fuga, Abdeslam foi detido em 18 de março no bairro de Molenbeek, em Bruxelas, e transferido no dia 27 de abril para França, onde responde por acusações de terrorismo.

Os investigadores ainda não conseguiram determinar o papel de Abdeslam nos ataques a bares, restaurantes, à sala de concertos Bataclan e ao Stade de France na capital francesa, que deixaram 130 mortos. O suspeito está detido em isolamento numa prisão no sul de Paris.

RC/efe/lusa/dpa

Leia mais