Decreto migratório de Trump abre batalha legal | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 06.02.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

EUA

Decreto migratório de Trump abre batalha legal

Após apelação ser rejeitada, presidente dos EUA intensifica ataques a juiz que bloqueou controversa ordem executiva. Em meio a críticas de democratas e republicanos, governo deve agora justificar medida na Justiça.

USA Staat Washington Protest in Seattle gegen Donald Trump - Einreisestopp (Reuters/D. Ryder)

Protesto em Washington em janeiro contra o decreto de Trump

O decreto migratório do presidente dos EUA, Donald Trump, inicia nesta segunda-feira (06/02) uma batalha legal, que pode se estender por meses, para determinar o futuro da mais controversa política de suas primeiras duas semanas no poder.

O governo tem até a noite desta segunda-feira para apresentar a uma corte de apelação aspectos legais que justifiquem a ordem executiva assinada por Trump em 27 de janeiro. A medida prevê o veto à entrada nos EUA de cidadãos de sete países de maioria muçulmana por 90 dias e de refugiados em geral por 120 dias.

Neste domingo, um tribunal federal rejeitou a apelação do governo contra a decisão do juiz federal James Robart. Na última sexta-feira, o magistrado suspendeu a ordem executiva de Trump, após cerca de 60 mil pessoas terem seus vistos revogados como resultado do decreto. 

A decisão judicial obrigou o governo a revalidar milhares de vistos, e passageiros dos países afetados pelo decreto – Irã, Iraque, Líbia, Somália, Sudão, Síria e Iêmen –, com vistos válidos, começaram a desembarcar no país. Em resposta, Trump intensificou os ataques a Robart e ao sistema Judiciário.

"Simplesmente não posso acreditar que um juiz tenha posto nosso país em tanto perigo. Se algo acontecer, a culpa será sua e do sistema judiciário. As pessoas estão entrando [no país]. Ruim!", escreveu Trump em sua conta oficial no Twitter.

O presidente prometeu um controle mais rigoroso em aeroportos. "Instruí o Departamento de Segurança Nacional a examinar as pessoas que chegam a nosso país muito cuidadosamente. Os tribunais estão dificultando muito esse trabalho", escreveu.

Judiciário como ferramenta de controle

No sábado, Trump classificou Robart, nomeado pelo ex-presidente George W. Bush, como um "assim chamado 'juiz'". Nos Estados Unidos, ataques de um presidente em exercício ao Judiciário são incomuns, e as palavras de Trump provocaram críticas do partido rival.

Diante dos ataques de Trump ao Judiciário, democratas questionaram a independência de Neil Gorsuch, nomeado pelo presidente na semana passada para ocupar um dos nove assentos da Suprema Corte. O cargo ainda precisa ser confirmado pelo Senado.

O vice-presidente Mike Pence saiu em defesa de Trump, apesar de membros do partido Republicano pedirem que o magnata evitasse tais declarações. A Constituição americana define o Judiciário como uma ferramenta de controle do presidente e do Congresso.

"Não temos 'assim chamados' juízes, não temos assim chamados presidentes, temos pessoas dos três braços do governo [Executivo, Legislativo e Judiciário] que fazem um juramento para defender a Constituição", disse o senador republicano Ben Sasse, crítico de Trump.

O presidente argumenta que seu controverso decreto migratório, que pode agora enfrentar meses de batalhas legais, tem como objetivo proteger os EUA de terroristas. Críticos do magnata classificam a ordem executiva de discriminatória, inútil e legalmente duvidosa.

LPF/efe/rtr/afp/ap

Leia mais