1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

De arquiinimigos a aliados militares

Inicialmente apenas um mercado de livre comércio, a União Européia ganhará em breve contornos militares. Um passo já dado entre Alemanha e França, há 40 anos, com o Tratado do Eliseu.

default

Tanques alemães desfilam em Paris no 14 de julho de 1994

As desavenças entre Alemanha e França foram o pivô de duas guerras mundiais, com raízes em 1871, quando as tropas prussianas derrotaram rapidamente as francesas. Vitorioso, o rei Guilherme I foi a Paris e coroou-se imperador no Palácio de Versalhes. A região da Alsácia-Lorena, ele anexou à Alemanha. Estava selada a inimizade.

Mas alemães e franceses conseguiram superar a sangrenta rivalidade. De arquiinimigos, tornaram-se parceiros, até mesmo amigos. Dois estadistas visionários – o chanceler federal Konrad Adenauer e o presidente Charles de Gaulle – deram o primeiro passo para o processo de reconciliação entre as duas nações e os dois povos com o Tratado do Eliseu, assinado em 1963.

Em vigor até hoje, o acordo visa a harmonização das concepções de segurança e defesa. Na prática, promove intensivo intercâmbio de pessoal entre as forças militares de ambos os países e fortalece a cooperação na área de armamentos. Ao considerarem coisa do passado todos os conflitos até a Segunda Guerra Mundial e estimularem a cooperação, Adenauer e De Gaulle puseram um ponto final na inimizade entre os vizinhos.

A primeira parada militar conjunta foi realizada num local simbólico: os campos de batalha da Primeira Guerra Mundial na região francesa de Champagne. De Gaulle levava as intenções do tratado a sério e foi o primeiro chefe de Estado estrangeiro a visitar a academia de oficiais da Bundeswehr, as Forças Armadas alemãs do pós-guerra.

"Se nossas tropas e nossas idéias não estão mais em conflito como nos trágicos séculos, mas agem em conjunto, então abre-se um novo tempo. Nós nos sentimos honrados em estarmos no limiar desta era", declarou o então ministro da Defesa, Franz-Josef Strauss, ao recepcionar o general francês.

Cooperação humana e tecnológica

Franceses e alemães reúnem-se regularmente desde o Tratado do Eliseu. E não somente no primeiro escalão da política. Os soldados são estimulados a conhecerem a formação profissional e a forma de liderar do exército parceiro. As visitas a instalações do vizinho e a promoção de exercícios conjuntos fazem parte do dia-a-dia.

Exemplo de cooperação armamentista é o Alpha-Jet, o primeiro avião a jato a ser montado na Alemanha após a Segunda Guerra, sob iniciativa do chanceler federal Helmut Schmidt e do presidente francês Valéry Giscard d'Estaing. Da mesma forma, o avião de transporte Transall C160 e o sistema de mísseis terra-ar Roland foram desenvolvidos em parceria.

Lado a lado nas fileiras

A superação do passado igualmente tem seus momentos marcantes, como quando o chefe de governo alemão Helmut Kohl e o chefe de Estado francês François Mitterand postaram-se de mãos dadas em memória aos mortos nos campos de batalha de Verdun. Os atos, porém, visam sobretudo o futuro, como no 50º encontro de cúpula teuto-francês em Karlsruhe, quando os dois acertaram a formação de um grande batalhão binacional sob comando rotativo.

"Neste meio tempo, ele ganhou capacidade de ação comparável à de qualquer outro batalhão alemão ou francês. Eu diria até mesmo que a motivação de seus soldados é maior do que a dos outros batalhões", orgulhava-se o general Helmut Neubauer, comandante da Brigada Teuto-Francesa.

Claro que para a cooperação é indispensável a compreensão do idioma do aliado. A motivação para aprender a língua do parceiro é crescente entre os soldados. O chanceler Kohl não falava francês – aliás, nenhum idioma estrangeiro. Mesmo assim estava unido em pensamento e atitudes com o colega Mitterand. Juntos, 25 anos depois do Tratado do Eliseu, eles criaram um conselho teuto-francês de defesa e segurança, alicerce da nova política de articulação militar entre os europeus dentro da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).

Prevenir e remediar

Desde o fim da Guerra Fria, a política militar de prevenção e superação de crises passou a ser resumida por uma máxima do ex-ministro francês da Defesa, François Leotard: "Muita coisa não é considerada, porque parece difícil de acontecer. Muita coisa se torna difícil, porque não foi considerada".

Na linha deste raciocínio, alguns países europeus deram, há alguns anos, o primeiro passo para a criação das tropas conjuntas da UE ao instituírem o corpo de intervenção Eurokorps. Da unidade, participam Alemanha, França, Bélgica, Espanha e Luxemburgo. E, como parte deste contigente, soldados alemães desfilaram na parada militar do 14 de julho de 1994 em Paris. Antes do Tratado do Eliseu, quem poderia imaginar ser isto possível?

Leia mais