Dalai Lama: ″A era dos sistemas totalitários está acabando″ | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 03.08.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Dalai Lama: "A era dos sistemas totalitários está acabando"

Em entrevista à Deutsche Welle, o Dalai Lama, líder espiritual e político dos tibetanos, falou sobre a reivindicada autonomia do Tibete e defendeu a democratização da China.

default

Dalai Lama continua defendendo o 'caminho do meio'

Deutsche Welle : Após 50 anos de exílio, o senhor ainda tem a esperança de retornar ao Tibete?

Dalai Lama : Isso é o que esperam todos os tibetanos. Do ponto de vista tibetano, a situação parece péssima e o problema, insolúvel. Porém, de uma perspectiva mais alta, temos grande esperança, sim. Há cada vez mais intelectuais e especialistas chineses que vêm se interessando pela causa tibetana e demonstrando apoio. Isso nos dá esperança.

O que o senhor pode fazer para convencer o governo chinês de que a sua reivindicação não é um Tibete independente – ou, segundo a norma linguística de Pequim: uma separação do Tibete da pátria chinesa –, mas sim uma "autêntica" autonomia?

China Uiguren Konflikt erneute Festnahmen

Soldados chineses reprimem manifestação de uigures na província de Xinjiang, em julho de 2009

Na verdade, o governo chinês sabe perfeitamente que não estou reivindicando um Tibete independente e que não sou nenhum separatista. Eles me tacham assim por mera maquinação política. Por exemplo, os manifestantes em Xinjiang estavam carregando bandeiras chinesas, mas mesmo assim foram incriminados como separatistas.

Por que Pequim resiste tanto ao seu retorno e o pintam com as piores cores em sua propaganda? Por exemplo, o presidente do Partido Comunista do Tibete, Zhang Qingli, o xingou de "lobo em pele de carneiro" e "demônio em forma de gente". O premiê Wen Jiabao o acusou de ter incitado pessoalmente os protestos.

Quando as pessoas ficam furiosas, tendem a xingar os outros. Não me importo com isso. Até mesmo o buda histórico chegou a ser difamado.

Dharamsala Exilhauptstadt der Tibeter

Dharamsala, capital do governo de exílio dos tibetanos, no noroeste da Índia

Foi grave a acusação do premiê Wen Jiabao contra mim, a acusação de que os protestos foram comandados a partir de Dharamsala. Imediatamente fiz um apelo para que se fizesse uma investigação detalhada. Todos os documentos do governo de exílio são acessíveis ao público, inclusive minhas conversas com os fugitivos tibetanos que chegaram em Dharamsala. É possível investigar tudo isso. Mas meu apelo não foi ouvido. Ninguém veio investigar. Mantemos nosso convite ao governo chinês, para que sejam feitas investigações.

A ignorância sobre a realidade no Tibete leva a mal-entendidos. E também há versões propositalmente falsas. A questão tibetana afeta a imagem da China. A opinião pública internacional está bem informada sobre a situação no Tibete. As tentativas do governo chinês de escamotear a situação no Tibete só prejudicam o próprio governo.

O governo chinês sempre afirmou que forças inimigas no Ocidente instrumentalizam o Dalai Lama. Essa é uma grave acusação contra o Ocidente. De fato, temos muitos adeptos e simpatizantes no Ocidente. Mas nunca abusamos dessas pessoas para mobilizá-las contra a China. Por isso é que se trata de uma acusação especialmente grave. Sempre reiterei que a China é um grande país com uma grande população e uma longa história. A economia do país deve se desenvolver. O país deve ampliar sua influência. Por isso sempre me pronunciei, em todo o mundo, contra um isolamento da China.

Tibet China Aufstand 1959 Wiederstand in den Bergen

Resistência tibetana contra o regime comunista chinês, em 1959. Após um levante contra o domínio chinês, Dalai Lama é obrigado a fugir do Tibete e se exilar na Índia

Um dos pontos críticos do governo chinês é que ele não tem uma política transparente. Meios de comunicação livres e um governo transparente são muito importantes. Essa é a base da confiança da população no governo. O presidente Hu Jintao introduziu o conceito da "sociedade harmônica". Sou absolutamente a favor da harmonia. Mas a harmonia vem da confiança do povo. Violência e ameaça não podem gerar harmonia. Por isso, numa sociedade humana a confiança é muito importante. Regimes autoritários tentam semear desconfiança entre a população. Trata-se de um método com efeito de curta duração. Sem gerar confiança, a sociedade não pode se estabilizar.

Leia mais