1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Cultura após as eleições, quo vadis?

Às portas das eleições parlamentares na Alemanha, quais foram os efeitos de sete anos de governo social-democrata-verde sobre o setor cultural? Quais as perspectivas, no caso de uma mudança de poder?

default

Ministra da Cultura, Christina Weiss (esq.), e premiê Gerhard Schröder num 'rally cultural' em Berlim

Após 16 anos de governo democrata-cristão sob o premiê Helmut Kohl, em 1998 a coalizão formada pelos partidos Social Democrata (SPD) e Verde assumiu o poder na Alemanha. Para surpresa dos que esperavam total concentração nas questões econômicas e sociais, o então candidato Gerhard Schröder anunciara durante sua campanha o editor Michael Naumann como potencial “ministro de Estado para assuntos culturais”.

Posto importante na área da Cultura

Tratava-se de um cargo novo, providenciando à cultura a muito esperada “voz à mesa do Gabinete”. O Conselho Alemão de Cultura comentou assim o fato inusitado: “Pela primeira vez na história da Alemanha, a cultura é tema de uma campanha eleitoral para o Bundestag (Parlamento)”.

Até mesmo a oposição teve que reconhecer em Naumann uma personalidade carismática, contribuindo intensamente para estabelecer o cargo de “encarregado do governo alemão para Cultura e Mídia”. Seu sucessor, Julian Nida-Rümelin, foi responsável pela reforma da lei dos direitos autorais e a criação da Fundação Federal de Cultura.

Ministra faz balanço positivo

Tanto Naumann quanto Nida-Rümelin deixaram o cargo prematuramente, por motivos profissionais. Sua função é atualmente preenchida por Christina Weiss. Embora os social-democratas e verdes ainda estejam no governo, em todos os setores da vida pública na Alemanha aproveita-se a oportunidade para fazer um balanço dos últimos sete anos.

A ministra Weiss faz o seu com pronunciada autoconfiança: “Pela primeira vez, desde 1949, a cultura e seu patrocínio são temas de destaque no pensamento nacional”, afirma. Como prova para tal, aponta para uma suposta “revalorização pública do trabalho artístico”, expressa na nova legislação tributária e na reforma da lei das fundações.

Não há dúvida de que tem havido progressos na política cultural alemã, durante o mandato de Christina Weiss. Entre suas maiores vitórias conta a emenda da lei de patrocínio ao cinema, com o fortalecimento das produções nacionais. Outros projetos, como a criação de uma fundação para a Ópera de Berlim, ou a lei sobre memoriais do nacional-socialismo, restam inacabados.

No geral, permanece questionável a avaliação de Weiss de que tudo fosse assim tão “provinciano” nos tempos de Kohl, e de que só graças à estética “de abertura” do atual governo a vanguarda artísitica tenha podido realmente desabrochar.

Entram e saem os governos , fica a cultura ?

O analista Thomas E. Schmidt, do jornal Die Zeit, arrisca uma pergunta: será realmente tão relevante o fato de a cultura estar ancorada na Lei Fundamental; ou quem seja o ministro de Estado encarregado da Cultura; ou se existe um ministério federal para esta área?

O orçamento federal da Alemanha para a cultura é de 1,1 bilhão de euros. Essa quantia relativamente modesta está, em princípio, vinculada a projetos representativos de grande porte, e não representa mais do que 12% do patrocínio cultural no país. Os Estados e municípios arcam, em proporções semelhantes, com a maior parte do ônus restante.

É lá que está a cultura, afirma Schmidt: “O que é um governo federal contra 6946 récitas de ópera por ano, 23.263 peças de teatro e 2539 de balé? Contra 151 teatros subvencionados, com um total de 721 salas e 253 mil lugares, contra 49 orquestras em 46 municípios? Contra 101 milhões de visitantes dos museus alemães?”

Cultura : alta ou e baixa , massa ou elite

Esses números datam de 2002, porém continuam, na essência, válidos. Somente as orquestras e os teatros representam 40 mil postos de trabalho. Incluída a produção livreira, a área cultural contribui com 2% a 3% do PIB. O jornalista acrescenta: “Se na terra do Estudo Pisa ainda existem instituições capazes de opor resistência aos canais comerciais de TV, assegurando algo como um patrimônio intelectual, então trata-se das instituições culturais”.

É necessário especificar a que “cultura” o analista do Die Zeit se refere. “Não falamos de eventos, espetáculos, festivais, nem do setor cultural organizado pelo setor privado, que se confunde com a indústria de entretenimento, ou seja, musicais, pop, operetas, fogos de artifício e elefantes de Aida. Nestes, quem quiser que invista, e que tenha sucesso.”

Schmidt traça uma distinção entre essas manifestações e a “alta cultura”, instituições “que mantêm uma oferta contínua e duradoura para o cidadão, a atividade cultural na acepção do termo”.

O caso MoMA

Moma Ausstellung in Berlin geht zu Ende

Exposição do MoMA em Berlim em 2004

Thomas E. Schmidt examina a presente tendência ao espetacular, aos eventos culturais de massa, também em suas formas mais nobres e insinuantes, a exemplo da exposição do Museu de Arte Moderna de Nova York (MoMA) em Berlim. Esta atraiu em 2004 1,2 milhão de visitantes, dispostos a enfrentar filas quilométricas, rendendo aos organizadores um lucro de 6,5 milhões de euros.

“Foi pura ‘cultura de eventos’, mas ao mesmo tempo um dos maiores sucessos que a alta cultura já registrou. Não seria este o futuro? Uma cultura modernizada para todos, que por ser delimitada no tempo reduz sua oferta, forçando o público a comparecer? O Projeto MoMA foi o sonho de todo político da área da cultura, e Goya também vai bem. Porém os ícones da arte moderna são limitados em número, portanto não se pode deduzir um modelo a partir desses casos.”

O analista conclui com uma advertência: “Esta é a situação da alta cultura: sua permanência não está seriamente ameaçada; porém, ela enfrenta uma forte concorrência na forma da mídia, dos megaeventos e da cultura de festivais ou de entretenimento, financiada pelo setor privado”.

Leia mais