1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

Cuba realiza reformas, mas não planeja afetar estrutura socialista do país

País entra em fase decisiva de reformas estruturais. Concessão de empresa açucareira à brasileira Odebrecht marcou abertura do agronegócio no país, mas especialistas divergem sobre uma real mudança de filosofia.

O plano de reformas iniciado há dois anos em Cuba para reverter décadas de crise econômica e atualizar o modelo econômico da ilha está correndo bem e deve ser aprofundado, segundo o presidente do país, Raúl Castro. Entre as medidas tomadas recentemente está a entrada da empresa brasileira Odebrecht no setor açucareiro da ilha caribenha.

"A atualização do modelo econômico cubano (...) segue em bom ritmo e está começando a entrar em questões de maior alcance, complexidade e profundidade", afirmou Castro no discurso de encerramento da Assembleia Nacional, em dezembro.

Castro pretende preservar e desenvolver em Cuba "uma sociedade socialista, sustentável e próspera", que, para ele, seria a única garantia da independência e soberania nacional. Mesmo assim, analistas têm opiniões divergentes sobre as intenções de Cuba em promover uma abertura real desta vez.

Equilíbrio entre socialismo e crescimento

Michael Zeuske, professor de História da Universidade de Colônia, na Alemanha, duvida que venha a haver uma grande abertura. "Odebrecht é uma exceção, e a mensagem é também que Cuba não quer investimentos estrangeiros. Eu considero que isso é apenas uma experiência", frisou.

Ernte Zuckerrohr in Brasilien

Odebrecht quer recuperar a capacidade agroindustrial da usina "5 de Septiembre"

Para Carlos Eduardo Vidigal, professor do curso de História da Universidade de Brasília (UnB), as reformas são lentas. Mas o governo tem se comprometido com a sua continuidade e abrangência, avançando na liberalização de pequenas e médias empresas, assim como na modernização de cooperativas urbanas de produção e serviço.

"A questão é a 'calibragem' necessária para prosseguir nas reformas sem afetar a estrutura socialista do país, o que explica a manutenção da propriedade estatal das terras, propriedades, subsolos e indústrias", frisou Vidigal.

Ele acrescentou, ainda, que essas iniciativas têm ligação com o fim da ajuda soviética a Cuba nos anos 1990, o desempenho sofrível da economia a partir deste período e o exemplo chinês de abertura ao mercado, sem abandonar a "matriz socialista".

Sobre facilitar investimentos brasileiros na ilha, Vidigal acredita que a possibilidade é grande, mas um passo nesse sentido será dado de forma extremamente cuidadosa, para evitar que a ilha caribenha se torne muito dependente de um ou de outro país.

"Os investimentos brasileiros podem dinamizar o setor açucareiro, o turismo e até mesmo a exploração de petróleo, mas isso exigiria um grande esforço diplomático para encontrar o ponto de equilíbrio entre os interesses dos dois países", frisou.

Para o professor de Relações Internacionais da UnB, Argemiro Procópio Filho, mais do que uma experiência isolada, a parceria com a Odebrecht é o início da abertura econômica de Cuba e também um passo estratégico para que o país volte a ser membro da Organização dos Estados Americanos (OEA). "É um movimento de abertura com muita determinação e deve prosperar", acrescentou.

Contrato com a Odebrecht

A concessão de uma central de colheita e produção de açúcar para o grupo brasileiro Odebrecht, pelo período de 13 anos, marca a abertura do setor agrícola de Cuba para empresas de outros países. Trata-se do primeiro investimento estrangeiro no setor agrícola desde o triunfo da Revolução de 1959.

Michael Zeuske Universität zu Köln

Zeuske: Cuba não quer investimenros estrangeiros

O presidente Raúl Castro tenta, assim, recuperar a indústria com a modernização tecnológica e com a abertura ao capital estrangeiro. Espera-se que o setor açucareiro da ilha – cuja produção caiu de cerca de 8 milhões de toneladas na década de 1970 para apenas 1,4 milhão de tonelada na última safra – ganhe novos impulsos.

A Odebrecht vai gerenciar a usina 5 de Septiembre, localizada na província de Cienfuegos, a 225 quilômetros de Havana. A empresa, em comunicado, pretende aumentar a produção de cerca de 30 mil toneladas para 90 mil toneladas por safra.

A abertura do setor para uma empresa brasileira é um sinal de que a ilha caribenha valoriza as relações com o Brasil. De acordo com Vidigal, da UnB, o Brasil é visto em Cuba como um país confiável.

"Além disso, cito a competência técnica dos empresários brasileiros no setor sucroalcooleiro e nossa inserção no mercado mundial de açúcar e até mesmo do álcool combustível", frisou Vidigal.

Sucateamento da indústria açucareira

O setor açucareiro, que era um dos motores econômicos da ilha, entrou em forte decadência nas últimas décadas em Cuba. Justamente o fato de os Estados Unidos deixarem de comprar açúcar de Cuba a preços preferenciais fez com que a economia cubana entrasse em crise.

Desde a dissolução da União Soviética, em 1991, e do fim da "parceria" entre Havana e Moscou, Cuba passou por dificuldades econômicas extraordinárias, cuja superação exige, segundo especialistas, a abertura ao mercado internacional, mesmo que essa abertura seja de modo progressivo e calculado. "Um exemplo é a China, que desenvolve seu projeto de potência econômica sem abandonar o comunismo", frisou Vidigal, da UnB.

Oito engenhos de cana em Cuba foram construídos nas décadas de 1970 e 1980, mas o resto já estava na ilha antes da revolução de 1959. E até o ano de 2000, Cuba investiu pouco na modernização do setor açucareiro.

Zeuske lembra também que a decisão do então presidente Fidel Castro em fechar as principais centrais de colheita e produção de açúcar em 2000-2002 foi um erro. "Essa foi uma das grandes decisões de estruturação econômica de Fidel Castro. Infelizmente, uma decisão errada, como quase todas que ele tomou, como mostrou a crise a partir do ano de 2008", frisou.

Fidel Castro gibt Amtsgeschäfte vorläufig an Bruder Raul ab

Fidel Castro (esq.) entregou o cargo ao irmão Raúl em 2008 por conta de problemas de saúde

Projetos brasileiros na ilha

A entrada da Odebrecht na modernização da reprimida indústria açucareira aumenta o papel do Brasil na ilha e confirma a estratégia brasileira de promover a internacionalização de suas empresas.

"O Brasil, desde que alcançou a sua estabilidade financeira, resgatou uma antiga ambição, que é a de se projetar em sua vizinhança, começando pela América do Sul, pela costa oriental da África e, em terceiro lugar, o Caribe", frisou Vidigal, da UnB.

Com isso, a própria Odebrecht já executa obras no valor de mais de 900 milhões de dólares para modernizar o porto de contêineres de Mariel, localizado no oeste da capital Havana.

O governo cubano aporta 15% do valor do projeto e o resto é financiado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social (BNDES) do Brasil. O porto é visto como uma plataforma comercial chave caso os Estados Unidos aumentem seu embargo de meio século contra a ilha caribenha.

O embaixador brasileiro em Cuba, José Felício, afirmou em entrevista à revista cubana Excelencias que o Brasil não pode se desenvolver isoladamente no contexto da América Latina.

"Não cremos que seja possível, por exemplo, um crescimento do nosso país em meio de uma pobreza sul-americana. Queremos aproveitar o momento econômico que temos para ver se crescemos juntos", frisou.

Autor: Fernando Caulyt
Revisão: Francis França

Leia mais